Mensagens de São José a Clemente Domínguez, hoje Papa São Gregório XVII, Magníssimo

Dia 10 de dezembro de 1969

(Fora do Recinto das Aparições de El Palmar de Troya, Utrera, Sevilha, Espanha. O portão de entrada do Recinto das Aparições, chamado La Alcaparrosa, foi fechado por ordem da autoridade civil. O vidente Clemente Domínguez e Gómez, acompanhados por Manuel Alonso Corral e outros seguidores das Aparições, rezaram fora do recinto, perto do portão de acesso a ela. O referido vidente entrou em êxtase com a aparição do Patriarca São José no Sagrado Lugar do Lentisco, que está dentro do recinto. São José transladou-se do Lentisco até a parede da estrada, fora do recinto. Clemente Domínguez teve uma visão do seu futuro Sacerdócio, pois, vestido com os sagrados ornamentos sacerdotais, começou a celebrar a missa, recitando parte dela, tal e como lhe indicava São José. O vidente, em êxtase, deu a bênção. São José bendizeu a todos.)

Dia 19 de março de 1970

(Sagrado Lugar do Lentisco de El Palmar de Troya. São José apareceu a Clemente Domínguez e deu-lhe a seguinte Mensagem:)

São José com o Menino Jesus

«Filhos meus: venho como mensageiro de Jesus e de Maria e como Pai da Igreja. Escreve, filho, para os meus seminaristas: QUE SE CONSAGRAM A DEUS COMPLETAMENTE, SEM NEGOCIAR NADA, PRINCIPALMENTE O CELIBATO, O CAMINHO DA VERDADEIRA SANTIDADE. Que sejam fiéis à tradição pela qual tantos mártires deram a vida. Que sigam fiéis devotos de minha Virginal Esposa, a Imaculada Maria. Que se consagrem a Ela com toda a pureza e serão grandes sacerdotes, para difundir o Evangelho dignamente. Jesus e Maria estão sofrendo muito pelos seminaristas que não se consagram completamente. Como vão esperar grandes frutos se não dão plenamente? Como Pai da Igreja que sou, convido meus filhos a não esquecerem A MEDIAÇÃO UNIVERSAL DA MÃE DE DEUS, MINHA AUGUSTA ESPOSA.

Aos meus filhos, os Sacerdotes, lhes peço que se lembrem dos votos que juraram levar a praticar. ESTOU MUITO AFLIGIDO COM OS NOVOS SACERDOTES PARTIDÁRIOS DE ABOLIR O SACROSANTO CELIBATO. Quero Sacerdotes castos, que se entregam abertamente a Jesus e Maria.

Aos meus filhos, os fiéis, lhes peço que roguem incessantemente a Maria para que haja na Igreja muitos santos sacerdotes para salvar ao mundo. Estou desgostado com os fiéis que se dedicam a censurar os Ministros de Deus; mas não se dignam elevar orações a Deus, pedindo por eles, seus salvadores. Os bendigo».

Dia 25 de outubro de 1970

(Sagrado Lugar do Lentisco de El Palmar de Troya. Aparições e Mensagens a Clemente Domínguez:)

São José

«Todos participamos da Realeza de Cristo. O monte de Cristo Rei está aqui, proclama-lo sempre: El Palmar é o monte de Cristo Rei. Aqui sim reina Jesus; com as vossas orações contribuístes para que reine de Jesus e para que reine de Maria, minha doce Esposa e virginal Mãe de Jesus».

Dia 1 de abril de 1973

(Sagrado Lugar do Lentisco de El Palmar de Troya. Se celebrou o Santo Sacrifício da Missa por um Sacerdote filipino, que havia chegado a Sevilha em 31 de março de 1973, para corresponder o chamado da Santíssima Virgem Maria para a Semana Santa em El Palmar de Troya. Depois da Santa Missa, se apareceu o Glorioso Patriarca São José Clemente Domínguez e deu-lhe a seguinte Mensagem:)

O Glorioso Patriarca São José

(Dirigindo-se primeiro ao Sacerdote, disse:) «Meu filho: Eu, José, o esposo de Maria, te agradeço por esta visita a este Sagrado Lugar, e te agradeço pelo muito que fazeis para me exaltar para o bem de toda a Igreja. Como Pai que sou da Igreja, estou contigo em todo momento. Querido filho: Obrigado por este Santo Sacrifício da Missa que ofereceu à Trindade Augusta, cheio de abalanças, de honra e glória. Isso agradou ao Pai Celestial. Te bendigo e bendigo a todos».

(Depois, dirigindo-se a todos os presentes, mandou que se ajoelhassem para receber sua bendição, pronunciando esta Mensagem:)

«Com humildade e agradecimento pelos dons divinos, reconhecendo a grandeza de Deus e o nada do homem. Infelizmente, nestes dias, com tantas inovações na Igreja, muitos fiéis não se ajoelham ao receber a bendição do Sacerdote, esquecendo que o Sacerdote bendiz em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ou seja, em o nome de Deus. É uma pena que todas estas coisas tenham sido esquecidas. Por isso, neste Lugar, o Céu está relembrando os ensinamentos da Mãe Igreja, hoje tão desprezada, tão mutilada e mudada. Mas a Verdade nunca muda. São os homens que mudam. Todas vós, desde pequenos, foram instruídos na Verdade ». (São José exorta os fiéis a recordar os ensinamentos que sempre existiram na Igreja e a regressar à Santa Tradição. Continua falando:) «Como é que agora já não têm valor? Oh, filhinhos! Jesus e Maria estão muito tristes, porque hoje em dia não se dá devida atenção aos ensinamentos da Santa Tradição, que tanto fez bem à Igreja, que tantos Santos se formaram nesses ensinamentos. Filhinhos meus: não se afastem do autentico caminho. Segue firme nos ensinamentos que recebeu da Tradição e fique longe de progressismos e confucionismos. Meus queridos filhos: Vós, os que têm lido a vida dos Santos, aprendei com eles e separem-se dos falsos doutores, de falsos profetas e falsos místicos, e conservai integra a Santa Tradição. Procurai todos acudir a aqueles lugares onde se conserva intacta a sã doutrina e se afaste daqueles lugares onde se ensina falsa doutrina, já na Igreja, já nas salas de aula, e em lugares que se chamam de Aparições. Qualquer coisa que se afaste da autenticidade, fique longe disso. E, como Pai da Igreja, os bendigo a todos. Aqueles que podem de joelhos. Procurem assistir à solenidade da Semana Santa neste Sagrado Lugar e estendê-lo por todas partes, especialmente na Festa da Ressurreição, na noite de Sábado ao Domingo, e no mesmo Domingo. Mas, se possível nos demais dias».

Dia 1 de agosto de 1973

(Barcelona. Santuario de San José de la Montaña. Por volta das 6 da tarde, reuniu-se um bom número de fiéis devotos de El Palmar, pertencentes aos Grupos de Oração da capital e dos povoados. Traz rezar todos, diante da venerada Imagem de São José, o Santo Rosário Penitencial de Pai Nosso, dirigido por Clemente Domínguez, por volta das 6,45 se apareceu o Patriarca São José a Clemente, e deu-lhe a seguinte Mensagem:)

O Glorioso Patriarca São José

«Meus queridos filhos: venho como Pai da Igreja e de todos vós. Querido rebanho de Barcelona, Catalunha. Obrigado por vossa visita a este Sagrado Lugar. Comunico a todos vós que, pelos desejos da Sempre Virgem Maria, SOU DECLARADO PELA AUGUSTA TRINIDADE, PROTETOR ESPECIAL DE BARCELONA E DE TODA A CATALUNHA, especialmente para os dias de grande ofuscação que se aproximam. Queridos filhos: Podeis contar com este seu vosso Pai Bondoso como Protetor em todos os seus perigos; especialmente, em perigos de pragas, mortes, epidemias e outros castigos. Eu serei o Protetor especial por essa hora. Invocai-me com frequência para que acuda a socorrer-vos em todo momento.

Avante, meus queridos filhos da Catalunha! RESTABELECEI O CULTO DEVIDO A ESTE VOSSO PAI. A este que, por desígnio da Providência, intercede constantemente perante o Trono da Imaculada e perante o Trono do Salvador. Tens um poderoso Protetor. ASSEGURO QUE MEU ESTANDARTE BRILHARÁ EM TODA A ESPANHA COMO GUARDIÃO DA FÉ CATÓLICA, APOSTÓLICA E ROMANA.

Se aproxima dias em que o dragão infernal vai estrebuchará e joeirará por onde quiser, em todo o momento lugar. Mas acudi a Mim como vosso advogado e seguro que Satanás perderá as forças. Peça especialmente a castidade, a pureza. Ó meus filhinhos: Purifiquem o mundo com o vosso testemunho! LOGO, MUITO LOGO NOS CÉUS DA ESPANHA SEREI VISTO COMO O GUARDIÃO, O PROTETOR, O ANJO DA FÉ E O GRANDE BATALHADOR. Aumente suas orações e penitências. Sobretudo rezem com devoção o Santo Rosário Penitencial do Pai Nosso; e isso é facultativo para todos os Cenáculos, tanto na Catalunha, como em toda a Espanha e além das fronteiras. Olhai, olhai: Satanás atacará agora contra o Rosário Penitencial; e observe como a Ira do Pai Eterno vai indo aplacando-se, porque tantas vezes ao dia recitais: Pai nosso, que estais nos Céus, santificado seja o Vosso Nome, venha a nós o Vosso Reino …

Aquele que clama ao Pai Eterno tantas vezes ao dia, não pode cair em confusão e erro. Por que hoje há tanta confusão nos Grupos de Oração? Porque se foi suprimindo o Rosário Penitencial. E por não rezar, não podem acolher-se das promessas para àqueles que rezam; e, uma delas é a compreensão dos mistérios. Oh, meus filhinhos: fiquem longe das novidades e sigam a oração penitencial! EU VOS PROMETO SOLENEMENTE, COMO PAI DA IGREJA E DE TODOS VÓS, QUE NAQUELAS CASAS QUE TODOS OS DIAS REZEM O SANTO ROSÁRIO DE PAI NOSSO, SENTIRAM MINHA PRESENÇA PALPÁVEL EM MAIS DE UMA OCASIÃO E SERAM PROTEGIDO POR MIM DE FORMA ESPECIAL. Minha bênção a todos vós, aos Grupos de Oração, à Espanha e a todas as Nações». (Terminado a Mensagem, o Patriarca San José continua falando, referindo-se a Clemente Domínguez e aos que o acompanham na viagem:)

«Por desejo da minha Augusta Esposa, terminou aqui, neste Lugar Sagrado, vossa missão. Não tem escolha a não ser seguir na estrada rumo a Itália. A minha bênção paternal a vós neste apostolado a cumprir. E nesta viajem, Eu também estarei com vós; e não vos preocupeis com os assentos porque eu encaixo em todo lugar».

Santíssimo José do Palmar Coronado, Vice-rei de Carmelo e Universal Co-patrão Universal

19 de março

O Santíssimo José foi predestinado desde toda a eternidade, na mente divina, pela altíssima dignidade de Pai Virginal de Jesus e do Esposo Virginal de Maria e, portanto, por ser Chefe da Sagrada Família. Os pais de São José foram Jacó e Raquel, da tribo de Judá e descendentes diretos do rei Davi. Em 18 de outubro do ano de 5171, se apareceu eles a Alma Diviníssima de Cristo, acompanhada pela Alma Divina de Maria, e lhes revelou que eles teriam um filho a quem chamariam de José, pois o Altíssimo o incumbiria com a dignidade de Pai, Esposo e Rei.  A concepção do Santíssimo José foi em 20 de outubro de 5171. Por um privilégio único, foi concebida com graça justificadora imperfeita, em virtude da qual não herdou a culpa mortal de Adão ou a habitabilidade de Satanás que implica, sendo nesse aspecto, São José Irredento. Contudo, o Santíssimo José esteve submetido em parte ao decreto divino da Redenção, na medida em que ele herdou, em sua alma, a mancha do pecado original, que é a carência da Habitabilidade do Espírito Santo. Nesse sentido, São José teve que ser redimido.

O Santíssimo José, em 20 de janeiro de 5172, ou seja, o terceiro mês de sua concepção, foi pré-santificado no ventre de sua mãe pela Alma Diviníssima de Cristo, por meio do Sacramento da Tríplice Bênção, deixando apagada a mancha do pecado original ao receber a habitabilidade do Espírito Santo. O Menino José, no exato momento de sua pré-santificação, fez a Deus seu voto de Virgindade Perpétua, ficando desposado com as Almas de Cristo e Maria, era cheio de graça, desfrutava do uso da razão, ciência infusa e outros altíssimos dons, como o da visão beatífica, da qual ele gozou durante toda sua vida desde o momento em que foi santificado. O Menino José se encheu em sua pré-santificação de todas as virtudes e graças, em tal grau de excelência, que, após a Divina Maria, supera todos os anjos e santos juntos. Esses dons foram aumentando continuamente à medida que seu perfeitíssimo amor por Deus se intensificava, unido com seus sofrimentos. O corpo acidental de São José, ao ser pré-santificado, alcançou sua plena perfeição e uma beleza indescritível que depois de Maria supera todos os humanos. Em virtude da graça da impecabilidade recebida pelo Gloriosíssimo Patriarca no momento de sua pré-santificação, São José não pode pecar nunca nem mortal ou venialmente, e estava limpo de todos os tipos de imperfeições, tanto em sua alma como em seu corpo.
São José nasceu em Belém, em 20 de julho de 5172. Ele foi o único filho que tiveram seus pais Jacó e Raquel. No oitavo dia de seu nascimento, seus pais cumpriram o rito legal da circuncisão e lhe impuseram o Nome de José. Quarenta dias após seu nascimento, ocorreu o rito legal da Apresentação, no Templo de Jerusalém, do Santíssimo Menino José por seus pais, e o da purificação de Raquel, sua mãe. A maior parte da vida de São José foi passada em Nazaré. Quando São José tinha dezoito anos, sua mãe e, logo depois, seu pai morreram. Já órfão, para viver na pobreza voluntária, ele distribuiu seus bens entre os necessitados, entregando uma parte de sua herança ao Templo de Jerusalém, ao lado do qual mais tarde trabalhou como carpinteiro e em onde morava como membro da Terceira Ordem Carmelita, embora sua herança conservou a casa que ele possuía em Nazaré. Quando São José chegou ao templo, a Santíssima Virgem Maria viveu nele por seis anos como religiosa carmelitana. Os dois nunca se viram pessoalmente até o dia do casamento. A Divina Maria sabia que São o José foi escolhido por Deus para ser seu Esposo, predestinado para Ela desde toda a eternidade, e que também estava vinculado por um voto de virgindade perpétua. Da mesma forma, São José sabia que a Divina Maria foi escolhida por Deus para ser sua Esposa, predestinada para ele desde toda a eternidade, e que também estava vinculada por um voto de virgindade perpétua. Maria e José, sabendo que havia chegado a hora da Encarnação do Verbo Divino por obra e graça do Espírito Santo, sem ir contra de suas respectivas virgindades, aceitaram plenamente a disposição do Céu, obedecendo submissos ao Ancião Simeão com indescritível entrega e imolação de suas próprias vontades e, ao mesmo tempo, com a absoluta confiança de que permaneceriam sempre Virgens, mesmo dentro do matrimonio, de acordo com seus desejos. A Divina Maria renunciou com veementíssima e heroica generosidade ao ardente desejo de permanecer sempre na vida religiosa.

O matrimonio da Santíssima Virgem Maria, com dezessete anos de idade, e do Santíssimo José, com vinte e seis de anos, foi no Templo de Jerusalém, em 23 de janeiro de 5199,

e estava na presença do Sumo Sacerdote Levítico Simeão. Dias depois, os novos Esposos partiram para Nazaré. Em 25 de março do ano de 5199, a se obrou Encarnação do Verbo Divino nas Puríssima Entranhas da Divina Maria pela obra e graça do Espírito Santo. Em 30 de março de 5199, o Santíssimo José esteve com a Virgem Maria na visita que fez a sua prima Santa Isabel. Dias após o nascimento de São João Batista, que foi em 24 de junho do mesmo ano, a Santíssima Virgem Maria e São José retornaram a Nazaré.

Naqueles dias, o imperador César Augusto enviou todos os súditos do Império Romano para se registrar, e os do território de Israel foram inscrever seus nomes na cidade de onde seus ancestrais vieram. São José, como era da casa e da família de Davi, foi com a Divina Maria de Nazaré para a cidade de Belém, perto de Jerusalém. Em Belém, à meia-noite, quando entrou o Domingo de 25 de dezembro do ano da criação 5199, a Divina Maria deu a luz seu Filho Jesus em uma gruta, porque não encontraram lugar em nenhuma casa. Oito dias após seu nascimento, São José circuncidou seu Filho Divino na Gruta de Belém e impôs-lhe o Nome de Jesus. Quarenta dias após o Nascimento do Menino Jesus, a Sagrada Família mudou-se de Belém para o templo em Jerusalém, para cumprir o requisito da purificação da Mãe e a da apresentação a Deus do Menino Jesus, conforme mandava a Lei de Moisés.Por causa da perseguição do ímpio rei Herodes, o Grande, São José, avisado em sonhos pelo Arcanjo São Gabriel, em 17 de fevereiro do ano 1, foi ao Egito com o Menino Jesus e sua Mãe, onde estiveram pouco mais de sete anos. Após a morte do rei Herodes, São José, avisado em sonhos pelo Arcanjo São Gabriel, em 30 de março do ano 8, partiu com o Menino Jesus e sua Mãe, para a terra de Israel, e foram morar na cidade de Nazaré na Galileia. Jesus, em Nazaré, ajudou seu pai São José no oficio de carpinteiro. Em 19 de março de 5228, o Santíssimo José aos cinquenta e cinco anos, morreu de amor nos braços de Jesus e Maria, na cidade de Jerusalém, e foi enterrado no sepulcro ao lado do vale de Josafat, onde anos mais tarde seria depositado o Corpo adormecido da Divina Maria.

A morte de São José foi apenas a do seu corpo acidental, isto é, a morte clínica, e ele também foi isento de julgamento particular. Pois, seu corpo essencial, ao ser essencialmente glorioso, não poderia morrer. Portanto, após a morte do corpo acidental de São José, seu corpo essencial foi mergulhado em um doce dormição; e assim, unido a sua Alma, permaneceu adormecido e insensível ao gozo beatífico dela, e a qualquer outro gozo, no Limbo dos Justos, até que Cristo expirou, participando desde então e para sempre do gozo beatífico da alma. Um instante depois que Nosso Senhor Jesus Cristo ressuscitou, o corpo acidental de São José ressuscitou ao ficar unido sua alma e a seu corpo essencial, participando do gozo beatífico da alma até a Ascensão do Senhor; pois nesse dia, 5 de maio de 34 da Era Cristã, depois de uma doce dormição, São José foi assunto ao Céu com sua alma e seus corpos. O corpo acidental de São José estava dormindo no Céu, sem participar do gozo beatífico, até momento em que a Santíssima Virgem Maria foi assunta no Céu em Corpo e Alma em 15 de agosto de 57 da Era Cristã.