As Aparições de Fátima

A História Eclesiástica Palmariana fala das Aparições da Virgem Maria em Fátima e das Mensagens Apocalípticas: Em 13 de maio de 1917, se apareceu pela primeira vez em Fátima, Portugal, a Santíssima Virgem Maria a três pastores: Lucía, Jacinta e Francisco. A última aparição foi em 13 de outubro do mesmo ano, dando neste dia provas evidentes, através de um grandioso milagre, da veracidade das Aparições e as Mensagens Apocalípticas dadas por Ela. Este milagre foi testemunhado por uma multidão de peregrinos, e outros espectadores, que vieram a Fátima em 13 de outubro. Entre outras Mensagens dadas em Fátima, a Santíssima Virgem Maria: Fez uma chamada angustiosa à oração e penitência, diante da situação caótica do mundo, mergulhada em uma  corrupção moral e em meio do cataclismo da Primeira Guerra Mundial; pediu para a consagração da Rússia ao seu Imaculado Coração, e a reparação de seu Imaculado Coração nos primeiros sábados do mês; advertiu que senão fossem compridos seus desejos maternais, a Rússia iria espalhar seus erros, e que, portanto, a Rússia seria o açoite do mundo, do qual Deus se voltaria para castiga-lo; também anunciou que, após a Primeira Guerra Mundial, viria outra muito mais espantosa. Também, a Santíssima Virgem Maria anunciou que no final Rússia se converteria. A Santíssima Virgem Maria deu uma mensagem transcendental, conhecida como o Segredo de Fátima, em que vaticina os terríveis acontecimentos futuros da Igreja Católica, a qual seria pisada ferozmente por seus próprios hierarcas, até o ponto que, a maçonaria e comunismo escalariam ao topo e demais altos cargos do Vaticano; anunciando assim, com muita antecedência, que após a Pontificando de St. Paulo VI, o último Papa com sede em Roma, ocorreria o grande cisma apocalíptico com os reinados dos antipapas em Roma: Até agora Juan Pablo I, João Paulo II, Bento XVI e Francisco, os quatro chefes visíveis da maçonaria do judeovaticana e precursores do Anticristo. Lamentavelmente, a Mensagem Secreta de Fátima não foi dada a conhecer ao mundo ou pelos Papas de Roma, ou pela sor Lucía, que foi a quem a Virgem Maria deu a Mensagem e tornou-a responsável por espalhá-la no devido tempo. A Santíssima Virgem Maria, em suas Aparições do Sagrado Lugar de El Palmar de Troya, já havia revelado o verdadeiro conteúdo do Segredo de Fátima em todos os seus detalhes, deixando claro a apostasia da Igreja Romana por obra da hierarquia eclesiástica maçônica e comunista, com o consequente reinado dos antipapas no Vaticano. Por sua vez, a Santíssima Virgem Maria anunciou nas aparições palmarianas que a Sede da Igreja Católica seria transladada para ao Sagrado Lugar de El Palmar de Troya, o qual aconteceu após a morte do Papa São Paulo VI, pois seu sucessor, o verdadeiro Papa, foi São Gregório XVII.

O Papa São Gregório XVII foi o grande Mensageiro Apocalíptico. Graças a suas Mensagens, o mundo tem vindo a conhecer com toda a veracidade no que diz respeito a estes Últimos Tempos ou Era Apocalíptica. Ele teve a suficiente valentia e intrepidez para evidenciar os grandes acontecimentos. Graças à sua fidelidade às Mensagens recebidas de Deus, a humanidade é conhecedora do está contido na Mensagem Secreta de Fátima, tão manipulada e traída pela mesma vidente sor Lúcia de Fátima. Se a sor Lucía de Fátima tivesse dado testemunho do Segredo que a Santíssima Virgem Maria a confiou a revelar em seu tempo, muitos não viveriam agora em apostasia, senão que teriam reconhecido que o verdadeiro Vigário de Cristo reside no Sagrado Lugar de El Palmar de Troya, Sede Apostólica da Igreja verdadeira: A Una, Santa, Católica, Apostólica e Palmariana. Mas a sor Lucía de Fátima traiu a verdade, para agradar aos altos hierarcas vaticanos. Lembramos que, a Mensagem Secreta de Fátima, é fundamentalmente o seguinte: O comunismo e maçonaria escalaram ao topo e demais altos postos do Vaticano, o qual se consumou com o estabelecimento em Roma do antipapado após a morte do Papa São Paulo VI.

Um dia em 1916, três jovens pastores, seis, nove e dez anos de idade, cuidavam de suas ovelhas em Fátima. Pouco depois do Rosário rezar, um vento forte sacude as árvores e vêem, numa luz muito branca, a figura de um jovem brilhante e transparente se aproximando. Ao chegar a eles, disse: “Não tenha medo! Sou o Anjo da Paz. Orai comigo!” E, ajoelhado no chão, o Anjo inclina a testa para o chão. Levados de um movimento sobrenatural, lhe imitaram e repetiram as palavras que o ouvia pronunciar: “Meu Deus, eu creio e espero em Vos, Vos adoro e Vos amo. Vos peço perdão por aqueles que não creem, nem adoram, nem esperam, nem Vos amam” Depois de repetir isso três vezes, se levantou e disse: “Orai assim. Os corações de Jesus e Maria estão atentos à voz de vossas súplicas”. O Anjo desapareceu e a atmosfera do sobrenatural que os envolveu era tão intensa, que quase não se davam conta de sua própria existência, e isso durou um bom espaço de tempo. Permaneceram na posição que tinham deixado, repetindo a mesma oração. Se sentia tão intensa e íntima a presença de Deus que nem entre eles se atreviam a falar.

Outro dia, de repente o Anjo apareceu ao seu lado: “O que fazeis? Orai, muito! Os corações de Jesus e de Maria têm sobre vós os desígnios de misericórdia! Oferecei constantemente ao Altíssimo orações e sacrifícios” “Como podemos sacrificar-nos?” “Com tudo que podais, oferecei um sacrifício ao Senhor em ato de reparação pelos pecados com que é ofendido e de súplica para a conversão dos pecadores. Atrai assim sobre nossa pátria a paz… Sobre tudo, aceitai e suportai com submissão os sofrimentos que o Senhor vos envia.”

Em outra ocasião veio o Anjo trazendo na mão um cálice e, sobre ele uma Hóstia, da qual caiam dentro do caliz algumas gotas de sangue. Deixando o cálice e a Hóstia suspensa no ar, prostrou-se em terra e repetiu três vezes a oração: “Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, eu Vos adoro profundamente e Vos ofereço o preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, presente em todos os Sacrários da terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do seu Santíssimo Coração e do Imaculado Coração de Maria, Vos peço a conversão dos pobres pecadores.” Depois, o Anjo deu-lhes a Santa Comunhão, dizendo: “Tomai e bebei o Corpo e Sangue de Jesus Cristo, horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos. Reparai seus crimes e consolai vosso Deus.”

Em 13 de maio de 1917, na Cova da Iría, em Fátima, os três pastores vêem uma formosíssima e brilhante Senhora vestida de branco. “Não temais!”, disse a Senhora, “Eu não vos farei mal… Sou do Céu… Vim pedir-vos que venhais aqui seis meses consecutivos, no dia 13, nesta mesma hora. Depois direi quem sou e o que quero.” Depois a Senhora diz às crianças: “Quereis oferecer-vos a Deus para suportar todos os sofrimentos Ele queira enviar-vos, em reparação pelos pecados com que é ofendido e como súplica para a conversão dos pecadores?” Responderam que sim. “Tereis, pois, muito a sofrer, mas a graça de Deus vos confortará”, promete a Senhora. “Rezai o Rosário todos os dias para alcançar a paz ao mundo e o fim da guerra.” Começou então a elevar-se até desaparecer.

“Quero que venhas aqui no dia 13 do mês que vem; que rezeis o Rosário intercalado entre os Mistérios, a jaculatória: ‘Oh Jesus meu! perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, leva todas as pobres almas para o Céu, principalmente as mais necessitadas.”

As crianças pedem que lhes leve ao Céu. “Sim”, responde a Santíssima Virgem, “a Jacinta e o Francisco vou levar logo. Mas tu tem que ficar aqui por um tempo. Jesus quer servir-se de ti para que me faças conhecer e amar. Ele quer estabelecer no mundo a devoção ao Meu Imaculado Coração. A quem abraçarei, lhe prometo a salvação; e estas almas serão amadas por Deus, como as flores colocadas por Mim para adornar seu trono.”

Em 13 de julho, disse: “Quero que continueis rezando o Rosário todos os dias, em honra a Nossa Senhora do Rosário, para obter a paz do mundo e o fim da guerra, porque só Ela poderá conseguir… Continuai vindo aqui todos os meses. Em outubro vos direi quem sou, e o que quero. E farei um milagre para todos creem.” Uma das crianças conta sobre um enfermo que pedia para ir logo ao Céu. “Que não tenha pressa: Eu sei bem quando tenho que ir busca-lo.”

Depois a Senhora disse: “Sacrificai-vos pelos pecadores, e dizei muitas vezes e especialmente sempre que fazeis algum sacrifício: ‘Oh Jesus, é por vosso amor, pela conversão dos pecadores e em reparação pelos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria’.” Ao dizer estas últimas palavras, abriu as mãos novamente, como nos últimos dois meses. O reflexo que se espalhou parecia que penetrava na terra e viram como um mar de fogo e submergidos nele, aos demônios e às almas, como se fossem brasas transparentes e pretas ou bronzeadas, na forma humana que flutuava no incêndio lançadas pelas chamas que delas saiam juntamente com nuvens de fumaça que se espalhava por todas as partes – como acontece com as faíscas e brilhos nos grandes incêndios – sem peso ou equilíbrio, entre gritos e gemidos de dor e desespero que horrorizava e fazia estremecer de pavor. Os demónios se distinguiam por suas formas horríveis e repugnantes de animais assustadores e desconhecidos, mas transparentes como carvões negros em brasas.

Assustados, pálidos e como para pedir socorro, os pequenos levantaram a vista para Nossa Senhora. A Virgem explicou: “Haveis visto o inferno, onde vão as almas dos pobres pecadores. Para salvá-las, Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao Meu Imaculado Coração. Se fizer o que Eu vos digo, salvará muitas almas e terá paz. A guerra terminará, mas se não pararem de ofender Deus… outro pior começará. Quando vês uma noite iluminada por uma luz desconhecida, sabe que é o grande sinal que Deus vos dá de que vai castigar ao mundo por seus crimes por meio da guerra, da fome e perseguição da Igreja e do Santo Padre. Para impedir isso, virei pedir a consagração da Rússia ao Meu Imaculado Coração e a Comunhão reparadora dos Primeiros Sábados. Se atendera meus pedidos, Rússia se converterá e terá paz; senão, espalhará seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja. Os bons serão martirizados, o Santo Padre terá que sofrer muito, várias nações serão aniquiladas. Por fim Meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre Me consagrará Rússia, que se converterá, e será concedida ao mundo algum tempo de paz… Isto não diga a ninguém. A Francisco, pode dizer.” Somente as três crianças contemplaram as aparições, mas algumas das pessoas presentes perceberam que no final desta aparição, choravam, e diziam que a mensagem era “um segredo… é bom para alguns e maus para os outros.”

Desde este momento, o segredo tem constituído uma legítima expectativa e o desejo de conhecê-lo tem excitado a todos aqueles que tiveram conhecimento de sua existência. De que se trata? Em que consistirá o dito segredo?

O alcaide de Vilanova de Ourém, apesar de ser um raivoso anticlerical e líder da maçonaria, foi o primeiro a querer aprender do segredo confiado pela Aparição aos videntes. Tramou uma estratagema para arrancar-lhes o segredo, ameaçando-os com a morte mais assustadora se não revelavam agora, desde então, famoso segredo. Foram sequestrados, interrogados e presos. Mas triunfou a inocência e simplicidade sobre a astúcia do empedernido francmaçom, e as crianças permaneceram firmes e serenas, mesmo diante da certeza de uma morte horrível por cremação. A Virgem não apareceu em 13 de agosto, como havia anunciado anteriormente, devido aos acontecimentos causados pelo alcaide, mas queria recompensar as crianças que tinham permanecido fiel em circunstâncias tão difíceis e apareceu no dia 19, e pediram-a para fazer um milagre para todos acreditassem. “Sim”, a Virgem respondeu, “o último mês, em outubro, farei um milagre, para que todos acreditem em minhas Aparições. Senão tivessem levado para a aldeia, o milagre teria sido mais grandioso. Virá São José com o Menino de Jesus para dar paz ao mundo. Virá também Nosso Senhor para bendizer o povo. Virão também Nossa Senhora do Rosário e Nossa Senhora das Dores… Reze, reze muito e faça muitos sacrifícios pelos pecadores, pois muitas almas vão ao Inferno por não ter quem se sacrifique e peça por elas.”

Estas palavras impressionou profundamente as mentes dos pastorzinhos e despertou neles uma fome cada vez mais forte da mortificação, da oração e sofrimentos. Seu único desejo era fechar para sempre os portões daquela terrível fornalha do Inferno de tal modo para que não fossem mais almas lá.

Quando deixados em paz nos campos com suas ovelhas, os três pastorzinhos passou horas e horas, no penhasco onde o Anjo tinha aparecido, prostrada na terra e repetindo a oração que o Anjo lhes tinha ensinado: “Meu Deus, creio e espero em Vos, Vos adoro Vos amo! Peço perdão por aqueles que não creem, não adorar, não esperar, e não te amam!… Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, eu Vos adoro  profundamente e Vos ofereço o preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, presente em todos os sacrários da terra, em reparação de ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos de seu Sagrado Coração e do Imaculado Coração de Maria, Vos peço a conversão dos pobres pecadores.”

Quando a postura desconfortável se tornou insuportável, se rezavam o Rosário, sem se esquecerem de intercalar a jaculatória ensinado a eles por Nossa Senhora: “Oh Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do Inferno, levai todas as pobres almas ao Céu, especialmente as mais necessitadas.”

As crianças rezaram muito, mas sacrificaram ainda mais. Se dedicavam a descobrir novas modos de sofrimento para a conversão dos pecadores. Para evitar que os outros entendessem mal os motivos de suas mortificações e impedir-lhes salvar almas do Inferno, o mantiveram em sigilo entre eles mesmos e a Virgem Santa.

Durante as Aparições de julho, agosto e setembro, a Virgem Santíssima tinha assegurado aos pastorzinhos que a última vez que apareceria, em outubro, obraria um milagre para todos ver e de este modo acreditassem. Os pastorzinhos tinham repetido a todos que vieram perguntar e as notícias se espalharam por todo o país. A expectativa e a ansiedade provocadas pelo anúncio deste tremendo milagre pesava muito sobre as famílias dos pastorzinhos. Os incrédulos riram da profecia e os inimigos da Igreja o chamaram de uma grande engano da Igreja para o povo. Para eles em 13 de outubro seria um dia em que se alegrar porque o engano seria desmascarado e da Igreja seria desacreditado por completo. As crianças estavam extremamente entristecidas diante da incredulidade de tantos, mas confiavam plenamente na bondade de Nossa Senhora e por isso não se preocupavam.

Na manhã de 13 de outubro de 1917, em Fátima a chuva estava caindo; um triste começo para o glorioso dia prometido por Nossa Senhora e as crianças. No entanto, a chuva não desaminou a fé viva com milhares de peregrinos de todas as províncias de Portugal rumo à ditosa terra para testemunhar o milagre prometido. Mesmo os jornais, até então hostil aos acontecimentos em Fátima, enviou jornalistas para o lugar, e como publicaram nos dias seguintes extensos artigos sobre eventos extraordinários, vamos aproveitá-los aqui, citando as narrativas jornalísticas que descrevem a autentica história do acontecimento:

Toda a noite, todo a madrugada, se passou caindo uma chuva fina, persistente, que encharcava os campos, que entristecia a terra, que calava até os ossos, com a sua humidade fria, para mulheres, crianças, homens e animais que atravessaram as estradas macilentas que levam à serra do milagre. A chuva caiu, caiu, insistente e branda.

As saias da lã simples e as estampadas telas pareciam pingos e pesavam como chumbo nas franjas das cinturas. As gorras e os chapéus longos escorriam água sobre as jaquetas novas dos dias de festa. Os pés descalços das mulheres, as botas calçadas dos homens patinavam nos grandes poços de lodaçal das estradas.

“Caminhavam a serra acima iluminados pela fé, com anseios do  milagre que Nossa Senhora prometeu, para o dia 13, à uma da tarde, às almas simples e puras de três crianças que apascentavam seus ganhos. (Mas foi na verdade meio-dia em Fátima porque o sol naquela época estava no seu ponto mais alto.) Se ouviu cada vez mais perto um murmúrio que desceu do monte; murmúrio que parecia a voz distante do mar, que tinha penetrado no silêncio dos campos. Eram cânticos que se definiam entonados por milhares de bocas. Na alta planície da serra, foi visto cobrindo o monte , enchendo um vale, uma mancha enorme e movente de milhares e milhares de criaturas de Deus, milhares e milhares de almas que rezavam.”

Alguns estimavam que a multidão em Cova da Iría nesse dia deveria ser pelo menos setenta mil pessoas. Um professor na Universidade de Coimbra, depois de considera-la com cuidado, nos fala em sua relação de mais de cem mil. Passaram a noite todos ao ar livre, porque não havia sequer um habitação disponível. Ainda não apontava o sol e já se rezava, se chorava e cantava.

Nesse dia, a Santíssima Virgem Maria apareceu e falou com os três pastores: “Quero dizer-te para fazer aqui uma capela em minha honra, que sou Nossa Senhora do Rosário, que continueis a rezar o Rosário todos os dias. A guerra vai terminar e os soldados logo voltarão para suas casas”. E, tomando um aspeto muito triste, continuou: “Que não ofendam mais o Nosso Senhor, que já está muito ofendido!”.

Perguntaram aos pastorzinhos, no dia seguinte ao milagre do sol, o que havia dito Nossa Senhora desta última vez, e Jacinta respondeu: “Venho aqui para dizer-vos para que não ofendam mais o Senhor, que já está muito ofendido; que se as povo se emenda, acabará a guerra, e se não se emenda, acabará o mundo”. Quando perguntaram a Lucía se tinha alguma revelação de Nossa Senhora sobre o fim do mundo, respondeu: “Não posso responder essa pergunta”, pois tinha recebido a proibição de falar sobre o segredo.

Enquanto a Senhora se despedia deles, abriu as mãos que emitiam um fluxo de luz. Quando se elevava, apontou para o sol e a luz piscando de Suas mãos refletia os brilhos do sol.

Houve um vozeio imenso de maravilha e pasmo da multidão. Foi neste exato momento que as nuvens rapidamente se dispersaram e o céu limpou. O sol estava pálido como a lua. As três crianças tiveram esta visão: À esquerda do sol, São José apareceu com o Menino Jesus em seu braço esquerdo. São José saia de entre as nuvens luminosas deixando ver apenas seu busto e junto com o Menino Jesus fizeram três vezes o Sinal da Cruz bendizendo ao mundo. Enquanto São José fazia, Nossa Senhora estava em todo o seu resplendor à direita do sol, vestida de azul e branco como Nossa Senhora do Rosário. Enquanto isso, os vidente foram banhados nas cores e sinais maravilhosos do sol, e viram Nosso Senhor vestido de vermelho como o divino Redentor bendizendo ao mundo, como Nossa Senhora havia vaticinado.  Igual como São José, era visível apenas seu busto. Ao seu lado estava sua Mãe Santissima com as características de Nossa Senhora das Dores, vestida de rosa, mas sem espadas em seu peito. Terminada esta visão, a Santíssima Virgem apareceu outra vez em todo seu resplendor etéreo usando por fim o simples manto de Nossa Senhora do Carmo.

Enquanto as crianças contemplavam extáticos as visões celestiais, obravam nos céus vigorosos e pasmosos milagres diante dos olhos de incontáveis milhares de pessoas. O sol tinha assumido uma cor extraordinária. As palavras das testemunhas oculares melhor descrevem estes sinais estupendos. “As pessoas olhavam fixamente ao sol sem danificá-los. Parecia como se obscurecesse e iluminasse sucessivamente. Lançava feixes de luz para um lado e para outro e tudo pintava de diferentes cores, árvores e as pessoas, o solo e o ar. Mas o mais notável era que o sol não danificava a vista”. Um homem que trabalhava com seus rebanhos todos os dias nos campos abertos e cuidava de seu jardim sob o sol ardente da serra portuguesa, maravilhado com esse fato. “Todos pregaram seus olhos ao astro-rei tranquilo e sossegadamente. De repente o sol para, e começa a dançar e bailar; e outra e outra vez começa a dançar e bailar até que por fim parecia que se desprendia do céu e vinha sobre as pessoas. Foi um momento terrível!”

O sol produzia diferentes cores, amarelo, azul e branco e infundiu um grande terror, porque parecia uma roda de fogo que ia cair sobre as pessoas. Enquanto o sol precipitava até a terra ziguezagueando vigorosamente, a multidão gritou aterrorizado: “Ai Jesus! Que aqui todos morremos! Ai Jesus! Que aqui todos morremos!” Outros rogavam por misericórdia, “Nossa Senhora nos ajude!” E rezaram o ato de contrição. Havia até uma senhora que fez uma confissão geral e dizia em voz alta: “Eu fiz isto e aquilo!”

Por fim o sol desviou de volta para sua órbita no céu. “Todos deram um suspiro de alívio. Estávamos vivos e o tinha ocorrido milagre que as crianças anunciaram.”

Nosso Senhor, já tão ofendido pelos pecados da humanidade e especialmente pelo tratamento das crianças pelos funcionários do distrito, poderia facilmente ter destruído o mundo esse dia memorável. No entanto, Nosso Senhor não veio para destruir, mas a salvar. Salvou o mundo esse dia por meio da benção do bem-aventurado São José e o amor do Imaculado Coração de Maria aos seus filhos na terra. Nosso Senhor teria parado a grande Guerra Mundial que então estourava e concedido a paz ao mundo através de São José, Jacinta declarou mais tarde, se as crianças não tivessem sido detidas e levadas a Ourém. “Sempre que fazeis com algum destes meus pequenos irmãos,” adverte Nosso Senhor, “comigo o fez.”

O milagre tinha acontecido na hora e no dia designado por Nossa Senhora. Ninguém estava decepcionado, ninguém, mas, talvez, Nossa Senhora, que tinha dito que o milagre teria sido maior se as crianças não tivessem sido maltratadas. Muitos milhares de pessoas na Cova da Iría e nas aldeias vizinhas testemunharam os sinais contundentes. Seus testemunhos são de sumo interesse. Há pequenas variações em suas descrições de acontecimentos, embora todos concordem que foi o evento mais tremendo e impressionante que já testemunharam. Para chegar à ideia de quanto o evento impressionou as pessoas, devem ser lidas as narrativas jornalísticas desse tempo:

À uma da tarde, a chuva cessou. O céu estava em um tom cinza pérola e uma claridade estranha que iluminava aquela grande extensão dando à paisagem um aspecto trágico, triste, muito triste, cada vez mais triste. Tinha o sol como um véu de gaze transparente para que os olhos pudessem olhar. O tom de cinzento de madrepérola foi transformado em uma lâmina de prata brilhante que ia rompendo até que as nuvens se rasgaram e o sol prateado, envolto na mesma envoltura levemente velada foi visto rodar e girar em torno das nuvens desviadas. Um único grito saiu de todas as bocas; caíram de joelhos na terra encharcada as milhares de criaturas a que Deus e a fé levantavam até o céu.

A luz se azulava em um azul delicado, como se derramasse através das janelas de uma imensa catedral naquele navio gigantesco que formou as mãos que se erguiam no ar. A luz azulada se extinguiu lentamente para aparecer como filtrado por janelas de vidro amarelo. Manchas amarelas apareciam sobre os lenços brancos e sobre saias escuras e pobres da simples lã. Eram manchas que se reproduziam indefinidamente nas azinheiras rasteiras, nas pedras da serra. Todos choraram, todos rezaram  sombreiro na mão com a grandiosa impressão do milagre esperado. Foram segundos, foram instantes que pareciam horas, de tanta viveza que foi!

O Século, outro jornal de Lisboa, publicou um artigo ainda mais detalhado de acontecimentos extraordinários: “… Deste o alto da estrada, onde se aglomeravam as carruagens e mantinha muitas centenas de pessoas sem preocupar-se de entrar adentro da terra, foi visto toda a imensa multidão voltar-se ao sol, que apareceu na altura livre das nuvens. O astro parecia uma placa de prata opaca e era possível fixar-se em seu disco sem o menor esforço. Não queimava, não cegava. Se diria que estava acontecendo um eclipse. Mas eis que levanta um alarido colossal, e os espectadores que se encontram mais próximos se ouvem gritar: ‘Milagre! Milagre! Prodígio! Prodígio!’

Nos olhos deslumbrados daquele povo, cuja atitude nos transporta aos tempos bíblicos e que, pálido com assombro, com a cabeça descoberta, olhava cara a cara para o céu, o sol se agitava e tinha movimentos bruscos nunca vistos, fora de todas as leis cósmicas; o sol bailou segundo a típica expressão daquela simples gente.

Um ancião, de fisionomia doce e energética, reza, volto ao sol, com voz clamorosa o Credo. Vejo-lhe depois dirigir-se a aqueles que o rodeia e que mantinha a cabeça coberta, suplicando-lhes com todo encarecimento que se descubram ante manifestação tão extraordinária da existência de Deus. Cenas idênticas se repete onde nós estávamos, e uma senhora clama, banhada em pranto e sufocada: ‘Que lastima! Ainda há homens que não se descobrem perante um milagre tão maravilhoso!

E seguidamente perguntam uns aos outros se viram e o que viram. O maior número confessa que viu agitar-se e bailar o sol; outros declaram ter visto o rosto sorridente da própria Virgem, juram que o sol girou sobre si mesmo como uma roda de fogos artificiais, que desceu quase até queimar a terra com seus raios. Há alguns que dizem que viu mudar de sucessivamente de cores.”

O testemunho de outro espectador, professor da Universidade de Coimbra, é muito informativo e corrobora os outros: “O sol, momentos antes, havia dissipado o grosso grupo de nuvens que tinha escondido, para brilhar de clara e intensamente. Virei-me para esse íman que atraia todos os olhares e pude vê-lo semelhante a um disco nítido de luz viva, luminosa e luzente, mas sem incomodar. Não acho que a comparação que ouvi sobre Fátima, de um disco de prata opaco. Porque tinha uma cor mais clara, ativo e rico e também com mudanças como uma pérola. Não se parecia nada a lua em noite transparente e pura, porque se via e sentia que era um astro vivo. Não era como a lua, esférica, não tinha a mesma tonalidade ou luz escura. Parecia uma roda polida no nácar de uma concha. Nem confundia com o sol encarado através da névoa (que por outro lado não fazia naquela época), porque não era opaco, difuso, nem estava velado. Em Fátima tinha luz e calor e se podia ver nítido e com bordas em aresta, como uma mesa de jogo. Havia na abóbada celeste leves cirros com giros de azul aqui e ali, mas o sol algumas vezes deixou ver troços de céu azul. As nuvens que corriam rápidas de poente a oriente não empanavam a luz (que não interferia) do sol, dando a impressão, facilmente compreensível e explicável, de que passavam por atrás; nuvens que ao deslizar na frente do sol pareciam tomar uma tonalidade rosa ou azul diáfana. Coisa maravilhosa que se podia fixar longo tempo no astro, chama de luz e brasa de calor, sem a menor dor nos olhos e sem nenhum deslumbramento na retina que cega-se. Este fenômeno, com duas breves interrupções, em que o sol lançou seus raios mais ardentes e brilhantes obrigando a desviar a visão, durou cerca de dez minutos. Este disco tinha vertigem no movimento. Não era o centelho de um astro em plena da vida. Girava sobre si mesmo com uma velocidade pasmosa. De repente se ouviu um clamor, como um grito de angústia de todas aquelas pessoas. O sol, preservando a velocidade de sua rotação, destaca-se no firmamento, e avança sanguíneo sobre a terra ameaçando esmagar-nos com o peso de sua ígnea e mole volume. Estes foram momentos de terrível impressão. Durante o acidente solar, que pouco a pouco estava descrevendo, houve na atmosfera mudanças de cores. Estando olhando ao sol, notei que tudo se escurecia ao meu redor. Olhei para o que estava perto e estirei a minha vista para longe, e tudo vi em cor de ametista. Os objetos, o céu e a atmosfera tinham a mesma cor. Um arbusto avermelhado, que se erguia na minha frente, lançava sobre a terra uma sombra carregada. Receando ter sofrido uma alteração para a retina, hipótese pouco provável, porque dado este caso não devia ver as coisas de cor rosa, me virei, fechei as pálpebras e contive com as mãos para interceptar toda luz. Voltei a abrir os olhos e reconheci que, como antes, a paisagem, e o ar continuavam da mesma cor rosa. A impressão não era de eclipse. Continuando olhar para o sol, reparei que o ambiente tinha mudado. Logo ouvi um camponês que disse assustado: ‘Esta senhora está amarela!’ Realmente, tudo ia mudando, de perto e de longe, tomando a cor de formosos damascos amarelos. As pessoas pareciam enfermas de icterícia. Me ria ao vê-las francamente feias. Minha mão tinha a mesma cor amarela.”

O testemunho deste homem erudito demostra quão difícil era descrever adequadamente os sinais maravilhosos que ocorreram nos céus nesse dia. Em 13 de outubro de 1917 foi um dia memorável para todas as pessoas que presenciou os acontecimentos. Um jornalista de Oporto relatava com estas palavras: “O sol, umas vezes rodeado de chamas muito vivas, outras aureolado de amarelo e vermelho atenuado, outras vezes parecendo animado de um velocíssimo movimento de rotação, outras aparentando desprender-se do céu, aproximando-se à terra e irradiando um forte calor. ”

Outra testemunha diz que, depois da chuva matutina, “…o sol aparece imediatamente com a circunferência bem definida. Se aproxima à altura das nuvens e começa a girar sobre si vertiginosamente como uma roda de fogos artificiais, com algumas intermitências, durante mais de oito minutos. Tudo se ficou quase escuro e os rostos das pessoas eram amarelos. Todos se ajoelharam na terra enlodada.

Uma criança que tinha nove anos naquela época e viveu numa aldeia a 16 km de Fátima, tornou-se sacerdote e lembrada vividamente desse dia.

Estava em uma escola: “Era ao meio-dia quando fomos surpreendidos e ficamos chocados com os gritos e exclamações de alguns homens e mulheres que passavam pela rua em frente da nossa escola. A professora foi a primeira que correu à rua sem ser poder de evitar que corressem todas as crianças atrás dela. Na rua as pessoas choravam e clamavam, apontando para o sol.

Era o grande ‘Milagre’ prometido por Nossa Senhora. Me sinto incapaz de descrevê-lo como vi e senti. Olhava fixamente para o sol, que parecia pálido para mim, de modo que não cegava os olhos. Era como um globo de neve que rodava sobre si mesmo. Depois, de repente, parecia que baixava em um zig-zag ameaçando cair sobre a terra. Aterrado, corri para ficar no meio das pessoas. Todos choraram aguardando de um instante a outro o fim do mundo. Junto a nós estava um incrédulo, sem  religião alguma, que tinha passado a manhã zombando dos simplórios que andava toda aquela caminhada de Fátima para ir ver uma menina. Olhei para ele, estava como paralisado, espantado, com os olhos fixos no sol. Depois vi tremer da cabeça aos pés, e, levantando as mãos para o céu, caiu de joelhos em terra gritando: ‘Nossa Senhora! Nossa Senhora!’ Enquanto isso, as pessoas continuavam gritando e chorando, pedindo a Deus perdão por seus próprios pecados. Depois corremos as duas capelas da aldeia, que pouco instantes ficaram repletas. Durante estes longos minutos do fenômeno solar os objetos que nos rodeavam refletiam todas as cores do arco-íris. Olhando-nos uns aos outros, um parecia azul, outro amarelo, outro vermelho, etc. Todos estes estranhos fenômenos aumentaram o terror das pessoas. Passados uns dez minutos, o sol voltou para o seu lugar, do mesmo modo como tinha caído, pálido ainda e sem esplendor. Quando as pessoas se convenceu de que o perigo havia desaparecido, estralou uma explosão de alegria. Todos promoveram em uma exclamação de ação de graças: ‘Milagre! Milagre! Milagre! Bendita seja Nossa Senhora!’”

Depois do milagre solar, o povo eletrizado e comovido irrompeu em exclamações de arrependimento e contrição pedindo misericórdia, e como sugeridos pelo Espírito Santo, todos postos em pé começaram a cantar o Credo em voz alta. Ao mesmo tempo, quando as pessoas se levantaram do solo lamacento, outra surpresa lhes esperava, também naturalmente inexplicável: Uns minutos antes, tinham estado em pé na  na chuva torrencial, com suas roupas totalmente empapada. Agora se deram conta de que, suas roupas foram de repente e perfeitamente secas e nenhum sinal de qualquer água recebida! Com que bondade a Nossa Senhora tratava a seus amigos que tinham enfrentado a chuva e lama, e tinha vestido suas roupas dominical para ir a seu encontro!

O Bispo de Leiria escreveu em sua Carta Pastoral que aqueles que tinham presenciado os acontecimentos desse grande dia eram verdadeiramente afortunados. Disse: “As crianças avisaram com antecedência o dia e a hora que ia acontecer: A notícia correu rápido em toda Portugal e, apesar da desabrido do dia e de chover continuamente, reuniu milhares e milhares de pessoas que, no final da última Aparição, presenciaram todas as manifestações do astro-rei, homenageando a Rainha do Céu e da terra, mais brilhante do que o sol no auge de suas luzes. Este fenômeno que nenhum observatório astronômico registrou e, portanto, não foi natural, presenciaram pessoas de todas posições e classe social, crentes e ateus, jornalistas dos principais jornais portugueses e até indivíduos o quilômetros de distância.” São essas suas palavras oficiais, faladas depois de extensos estudos e interrogatórios cuidadosos de muitas das testemunhas das aparições. Não há possibilidade de erro ou ilusão quando cerca de cem mil pessoas concordam em testemunhar. Deus no Céu tinha chamado as pessoas do mundo para se juntar a Ele em prestar homenagem e glória a sua Bendita Mãe Maria.

A Santíssima Virgem Maria prometeu  levar em breve ao Céu Francisco e Jacinta Marto. Quanto a Jacinta, parecia preocupada com o único pensamento de converter os pecadores e livrar as almas do inferno, mas Francisco parecia não pensar senão em consolar a Nosso Senhor e Nossa Senhora, a quem tinha visto muito triste. Se dedicaram à oração e penitência, e rezar muitos rosários.

No dia antes de sua morte, Francisco recebeu Jesus em seu coração e fechou seus olhos na oração, descansando em Jesus enquanto Jesus descansava nele. Enquanto a presença de Deus o impregnava, se lembrava daquele outro dia quando o Anjo veio e juntos adoraram a Jesus no Santíssimo Sacramento. Esta criança fiel tinha dado a sua vida para fazer reparação aos Corações de Jesus e de Maria pelos pecados dos homens ingratos. Tinha empregado horas, dias inteiros, sonhando com seus amados Jesus e Maria, despreciando os prazeres absorventes da infância para consolar seus Corações amorosos. Com Cristo adentro, Francisco se ofereceu a si mesmo muitas vezes como vítima de amor, consolo e reparação. Foi essa sua primeira e última Comunhão, porque no dia seguinte, 4 de Abril de 1919, Nossa Senhora veio buscá-lo para Si. Um sorriso celestial entreabria os lábios por donde passava o último suspiro. Tranquilamente, sem agonia nem o a menor indicio de sofrimento, sua vida se apagou. Este menino de dez anos tinha acabado o trabalho que Deus lhe deu para fazer.

Jacinta disse: “Gosto tanto de Nosso Senhor e Nossa Senhora que eu nunca me canso de dizer-lhes que os amo. Quando digo isso muitas vezes parece que tenho fogo no peito, mas não me queimo.”

Poucos dias antes de morrer, Jacinta disse: “Os pecados que jogam mais pecadores ao inferno são os pecados da carne; se adaptaram modas que ofenderão muito a Nosso Senhor; a Virgem disse que haverá muitas guerras e discórdias no mundo; as guerras não são senão que castigos pelos pecados do mundo; a Santíssima Virgem não pode deter mais o braço de seu Amadíssimo Filho sobre o mundo; deve fazer penitência; se os homens se arrependerem, o Senhor perdoará ainda, mas se não mudam de vida, virá ao mundo o castigo mais terrível que se tem conhecido. Reze muito pelos pecadores; reza muito pelos religiosos; os sacerdotes devem ser puros, muito puros; os sacerdotes não devem ocupar-se senão das coisas da Igreja e das almas; a desobediência dos sacerdotes aos seus superiores e ao Sumo Pontífice desagrada muito a Nosso Senhor.”

Jacinta não só rezava, mas também sofria. A broncopneumonia que ela padecia piorou diariamente e um abscesso formou em seu peito. A mãe, que estava muito triste ao ver sua querida pequenina sofrer tanto, Jacinta sempre respondia com palavras de consolo: “Não fique triste, mãe, que eu vou ao Céu; lá pedirei muito por ti” Pequena soldado que era, se esforçava para esquecer sua enfermidade e suas dores para oferecer tudo para a conversão dos pecadores. “Pobrezinhos! Temos que rezar e fazer muitos sacrifícios por eles… Ah, se pudéssemos com nossos sacrifícios fechar para sempre os portões daquela terrível fornalha!; se pudéssemos fazer todos os pecadores ir para o Céu!” Jacinta não deixava desperdiçar um momento de sofrimento; uma única pulsada de dor tinha mais valor do que todo o ouro do mundo. Morreu em 20 de Fevereiro de 1920, aos nove anos de idade.

Fátima deve ser levada a sério. Não se pode pensar, com pura lógica, que o Céu promove tais manifestações espetaculares apenas para exortar-nos a fazer uma penitência frequente, ou ser forçado a manter tantos anos um segredo que é uma revelação vulgar das coisas trivial ou sem transcendência. Isso seria um absurdo. Se tais manifestações são verdadeiras, e milagres demonstra que são, então o segredo tem que concluir umas realidades de capitais, de suma importância. Algo importantíssimo se joga a humanidade nestas manifestações. Foi dito de fonte bem informada que o Papa João XXIII, ao ler o terceiro segredo de Fátima em 1960, voltou a selá-lo, dizendo que ele não queria ser ‘profeta de calamidades’, e que disse a um Bispo missioneiro: “Eu não posso publicar esse texto (de segredo), porque provocaria pânico no mundo inteiro.”

Em 1957 a vidente sor Lucía disse: “A Santíssima Virgem está muito triste porque ninguém faz caso de sua Mensagem, nem os bons nem os maus. Nem os bons, porque continuam seu caminho de bondade de apostolado, de virtude, mas sem fazer caso de sua Mensagem. Nem os maus, porque não vendo o castigo de Deus atualmente sobre eles, por causa de seus pecados, continuam seu caminho de maldade, sem fazer caso desta Mensagem; mas, acredite em mim, Deus vai castigar o mundo e vai castigar de uma maneira tremenda. O castigo do Céu é iminente: Que falta, Pai, para o ano de 1960? O que acontecerá então será uma coisa muito triste para todos e não coisa feliz, se antes que o mundo não fazer Oração e Penitencia. … O demônio está lutando uma batalha decisiva contra a Virgem; e como sabe que mais ofende a Deus e que em menos tempo ganhará o maior número de mais almas, está tratando agora de ganhar às almas consagradas a Deus, tanto na vida religiosa como na vida sacerdotal; já que, desta forma, deixa o campo das almas desamparado, e assim, ele mais facilmente se apoderará de elas. (Em 1957, era absolutamente imprevisível a grande quantidade de defeitos da vida religiosa e sacerdotal que ocorreria na Igreja depois do conciliábulo Vaticano II.)

Qual era esse tremendo castigo anunciado no segredo de Fátima, e que foi a partir do ano 1960? Agora, pelos fatos, vemos o que era: que Deus abandonou os culpados nas mãos de seus inimigos, como aconteceu quando o povo de Israel, por seus pecados, foram levados em cativeiro à Babilônia. Pela infidelidade do clero e do povo, Deus permitiu que os maçons infiltrados na Igreja chegar as mais altas posições.

O nefasto conciliábulo do Vaticano II foi de 1962 a 1965. Papa São João XXIII foi usado, devido à sua bondade, pelos inimigos da Igreja. Sobre o conciliábulo Vaticano II diz que o Papa São Gregório XVII: “Certamente, o Concílio Vaticano II foi convocado por Nosso Venerado Predecessor, Papa São João XXIII, antes dos terríveis acontecimentos relatados no Segredo de Fátima. O Papa, assustado do conteúdo da Mensagem de Fátima, sentiu a inspiração do Espírito Santo para convocar o Conselho… Depois das primeiras sessões, a aula do Conselho era um reflexo da humanidade antes do Dilúvio Universal. O Espírito Santo se retirou do Conselho, igual como tinha feito quando se retirou dos homens, devido à transgressão geral da humanidade que precedeu o castigo do Dilúvio Universal. O Espírito Santo, que havia se retirado do povo, entrou na Arca de Noé, para conduzir a este varão  justo.” O Apocalipse também explica sobre o castigo: “O primeiro desencadeamento de Satanás foi durante o Pontificante do Papa São João XXIII, ao converte-se o Concílio Vaticano II em conciliábulo, ou conselho de Satanás.”

O Tratado da Santa Missa diz sobre o conciliábulo Vaticano II: “O Conselho foi convocado pelo Papa São João XXIII, inspirado pelo Espírito Santo, pouco depois, pela influência opressiva de uma grande parte dos padres conciliares maçons e progressistas, e pela covardia e os respeitos humanos de não poucos tradicionalistas, se prostituiu a finalidade, chegando a conclusões abertamente errôneas e ambíguas; o qual evidencia que o Espírito Santo tinha sido expulsado da sala conciliar para dar entrada a Satanás. Aqui está por que o Concilio Vaticano II, no que diz respeito ao seu desenvolvimento e às suas conclusões acordadas, não é obra do Espírito Santo, senão do demônio. E, enquanto nas acordos conciliados, há uma parte de doutrina verdadeira, esta se encontra misturada com terríveis heresias e ambiguidades; já que a maçonaria, camuflando assim o mal, facilitou mais a aceitação, pelos católicos, dos textos conciliares, e os inimigos da Igreja conseguiram com mais facilidade seus perversos fins… O Concilio Vaticano II, pelo que em seus escritos há heresias, ambiguidades e perversos fins que conduziram os maçons e os progressistas, é ilegítimo, nefasto e abominável, e portanto sem qualquer autoridade na Igreja. Com isso dito não enegrecemos em absoluto a ilustre e infalível autoridade, assim como a boa fé dos Santos João XXIII e Paulo VI, que regiram a Igreja no tempo do Concilio; pois, no que respeita ao primeiro dos Pontífices, João XXIII, seus inimigos abusaram de sua excessiva paternidade, bondade e otimismo, em vez de aproveitar-se dele para suas conversões; e, no que concerne ao segundo, Paulo VI, sabemos que foi vítima da maçonaria vaticana, que submeteu-lhe a frequentes lavagens cerebrais mediante drogas, fazendo que a mão honrável do Papa assinava as vezes o indevido, embora na maioria dos casos falsificavam sua assinatura.”

Este castigo já foi anunciado pelo santo profeta Isaías, como explica a Santa Bíblia: “A Igreja oficial Romana, já muito tempo antes do Pontificado e morte do Grande Pontífice Papa São Paulo VI, Mártir do Vaticano, chegou a um estado calamitoso, pela proliferação de falsas doutrinas que tiveram o consentimento da maioria dos hierarcas que assistentes ao nefasto conciliábulo Vaticano II, o qual foi a astúcia da maçonaria para acabar com a Igreja. Desde a morte do Papa São Paulo VI e a eleição do Papa São Gregório XVII Magníssimo, a escuridão e desolação reinam agora para sempre na igreja oficial romana, cujas torres e fortalezas caíram, deixando nela apenas tenebrosas cavernas, mansão de bestas e pasto de bichos.”

E por ter se sujeitado assim hierarcas maçons, a Igreja receberia novos castigos, como disse o Senhor em El Palmar em 1972: “Também me dirijo a ti Esposa minha (refere-se à Igreja). Tu também receberás grandes castigos; pois, cada dia te prostitueis mais. Lembre-se da passagem da grande ramera e da grande Babilônia. Tudo isto concerne a ti, querida esposa; lembre-se teus extravios e teus pactos com Satanás. Deu caminho em teu seio os emissários da Besta: comunistas, maçons, luteranos, calvinistas e outros hereges. Estais descompondo as Sagradas Escrituras, e apresentando os mistérios ambiguamente; estais adulterando a Fé, estais ensinando a verdade junto a mentira; arrinconais aos santos Bispos, Cardeais, Sacerdotes e Religiosos bons; a estes, que mantêm a integridade na Fé, lhes fazeis a vida impossível; em uma palavra: Lhes fazeis a guerra fria, os tirou de seus cargos, os tachais anti-conciliaristas. Mas, vós negais a aceitação a todos os Santos Concílios, fundando uma nova Igreja partindo do Concilio Vaticano II; que não é tal Conselho!, senão um que inventou e interpretou a vosso capricho, para adulterar a Verdade e romper com a Santa Tradição forjadora de grandes santos. O Pai Celestial vos purificará e o acrisolará muito em breve.”

Nem os bem nem os mal fizeram caso da mensagem da Santíssima Virgem, apesar do milagre surpreendente, testemunhado por cem mil testemunhas oculares, que provava que a mensagem era uma grave exigência de Deus para a humanidade. Por isso, com rigorosa justiça, o grande castigo foi para todos os que rejeitaram as aparições e mensagens da Divina Maria. Entre eles, havia muitos tradicionalistas que defenderam os dogmas, mas eles culparam o Papa São Paulo VI e consideraram-no como herege, e chegaram a afirmar que a Igreja era acéfala, sem cabeça. Outros aceitaram todas as aberrações que propagavam os hierarcas maçons e progressivas, e assim se submeteram aos antipapas da Roma apostata. Somente aqueles que ouviram as mensagens de Maria Santíssima em El Palmar reconheceram que o Papa então, São Paulo VI, era o prisioneiro e mártir do Vaticano, que já estava no poder dos maçons e da sinagoga de Satanás. Somente aqueles humildemente atendia as mensagens celestiais mantiveram unidos ao verdadeiro Papa após a apostasia de Roma, a morte de São Paulo VI. E todos aqueles que rejeitaram as mensagens do Céu, receberam seu castigo: caíram na apostasia, os bons e o maus. Como o Bom Pastor, a Divina Pastora pode dizer: “minhas ovelhas ouvem minha voz, e Eu as conheço, e elas me seguem” pois a seguiram aos bons pastos no místico deserto de El Palmar.

Já que nem os bons nem os maus fizeram caso do grande milagre e da mensagem de Nossa Senhora de Fátima, e assim desperdiçaram as graças e rejeitaram a oportunidade de receber o perdão de Deus, então é lógico que Deus não voltará a fazer outro milagre portentoso à vista de todos até que o mundo seja purificado pelos espantosos castigos, e que logo vem a apoteosa Aparição da Santíssima Virgem Maria ou Grande Milagre de El Palmar de Troya para a exaltação universal da Santa Igreja Palmariana e a salvação de muitos.

A Santíssima Virgem, repetidas vezes, aos três vidente de Fátima disse que muitas nações da terra desapareceriam e que a Rússia seria o instrumento do castigo de Deus para todo o mundo, se antes não alcançamos a conversão dessa pobre nação. Sim; o demônio está lutando uma batalha decisiva contra a Santíssima Virgem, e uma batalha decisiva é uma batalha final, onde se deve saber de qual partido é a vitória, de qual partido é a derrota; assim que agora ou somos de Deus ou somos o demônio. Não há meio termo.

O demônio para conquistar as almas, as afastam da oração. A oração também se entende como uma conversa com Jesus e Maria e com nosso Pai Celestial, de quem recebemos continuamente as graças necessárias para resistir ao mal e vencer ao demônio. Portanto, não só na Igreja e em nossa casa, mas em todas partes e sempre, devemos orar; seja na rua, como no trabalho, como na escola, e até mesmo nas diversões. É viver unidos com Jesus e Maria que estão sempre do nosso lado, dentro de nosso coração, e conversar com Eles, nossos melhores Amigos. O demônio, que sabe a força poderosa da oração, tentará tirar-nos deste potente meio de salvação, continuando a invadir o mundo com essa onda pestilenta de materialismo, de respeito humano, de indiferença, de que nos dá vergonha de mostrar católicos em todas partes e sempre. Nós não salvaremos nem nos condenaremos sozinho; pois com a nossa oração e penitência não só salvaremos a nós mesmos, senão que salvaremos também todas as almas que levamos vinculadas a nossa. Recordemos que devemos entrar no Céu com muitas almas; e que não devemos receber a queixa, se infelizmente condenamos, de tantas almas que (no inferno) nos digam: “por tu culpa estou aqui; se tu tivesse correspondido a Deus, eu teria me salvado, mas por ti estou no inferno”, e razão é que cada cristão, por vocação, tem que ser outro Cristo, se esforçando para se identificar com Ele. Não só nas virtudes, mas na mesma missão que Ele trouxe à Terra: a de redimir ao mundo através do seu sacrifício. Todos devemos sofrer, não só porque levamos inerente à natureza humana a dor, por causa do castigo do pecado original, mas também porque como cristãos devemos sermos outro Cristo, para que o nosso sacrifício, unido ao de Cristo, tem um valor infinito, capaz de salvar o mundo inteiro; assim que todos temos: penas, contrariedades, aflições, problemas, enfermidades, etc. Pois bem, oferecemos a Nosso Senhor tudo o que se digne enviar-nos, também do que nós espontaneamente lhe oferecemos, para que, unido a seus divinos méritos, tenha um valor infinito. Em 13 de julho de 1917, Nossa Senhora prometeu em Fátima, “venho a pedir… a Comunhão reparadora dos Primeiros Sábados.” Na Cova da Iría, Nossa Senhora tinha comunicado aos vidente a dor amarga de seu Coração por causa da ingratidão e pecados da humanidade. Havia pedido o Primeiro Sábado de cada mês a ser considerado por todos os fiéis como um dia de reparação ao seu Imaculado Coração. Em 1925, a Santíssima Virgem apareceu à sor Lucia e, ao lado, suspensa em uma nuvem luminosa, um Menino. A Santíssima Virgem mostrou ao mesmo tempo um Coração que tinha em sua mão, cercado de espinhos, e disse o Menino: “Tem compaixão do Coração de sua Santíssima Mãe que está coberto com espinhos que os homens ingratos continuamente cravam sem ter quem faça um ato de reparação para arrancá-los”. Logo a Santíssima Virgem disse: “Veja, minha filha, meu Coração, cercado de espinhos que os homens ingratos me cravam continuamente com blasfêmia e ingratidões.  Tu, pelo menos, procura me consolar e explica que todos aqueles que por cinco meses (consecutivos) no Primeiro Sábado, se confessem, recebam a Santa Comunhão, rezem (cinco mistérios do) o Rosário e façam-me quinze minutos de companhia, meditando sobre os mistérios do Rosário, a fim de desagravar-me, Eu prometo assistir-lhes na hora da morte com todos as graças necessárias para a salvação de suas almas.”

Por meio desta amável devoção recebem o consolo os Sagrados Corações de Jesus e Maria, e vão se salvar um número imenso de almas. Deus em sua infinita misericórdia havia pedido que procurassem com os sacrifícios e orações reparar sobretudo a este Imaculado Coração, e suplicar pelas almas que contra Ele blasfemam, perdão e misericórdia, pois estas almas sua Divina Misericórdia não perdoa sem reparações.

Os quinze minutos é o que pode parecer mais difícil. Mas é muito fácil. Quem não consegue pensar nos mistérios do rosário? Na Anunciação do Anjo e na humildade de nossa Senhora que ao ver-se tão exaltada chama a si mesma de Escrava. Na paixão de Jesus que sofreu tanto pelo nosso amor. Em nossa Mãe Santíssima junto a Jesus no Calvário. Quem não pode com estes santos pensamentos, passar 15 minutos com o mais terna das Mães?

“Haveis visto o inferno, onde vão as almas dos pobres pecadores; para salvá-los, Deus quer estabelecer no mundo a meu Imaculado Coração… venho a pedir a consagração de Rússia ao meu Imaculado Coração… Se atenderem meus pedidos, a Rússia se converterá e haverá paz.”

Nossa Senhora explicou que esta consagração deve ser feita pelo Santo Padre em união com todos os Bispos do mundo, e disse que se seus ministros dilatam a execução de sua petição, será para eles causa da aflição; mas acrescentou que nunca será tarde para recorrer a Jesus e a Maria.

No final de 1942, o Papa Santo Pio XII consagrou a Igreja e o mundo ao Imaculado Coração de Maria, fazendo uma referência oblíqua ao povo da Rússia (mas não ao país por nome) com estas palavras: “Estendei vossa proteção. .. aos povos que pelo erro ou pela discórdia estão separados, a saber aqueles que professam por Vos singular devoção, onde não havia casa que não se ostenta vosso venerável ícone (hoje talvez escondido e reservado para melhores dias), dai-lhes a paz e reconduzi-los ao único aprisco de Cristo, sob o único e verdadeiro Pastor…” Era um acontecimento decisivo na história do mundo, e causou um breve cessar da Segunda Guerra Mundial. No entanto, não foi a consagração que Nossa Senhora havia pedido, e por isso não resultou na conversão da Rússia nem a paz duradoura que Ela nos prometeu.

Em 1943 o Senhor prometeu o próximo fim da guerra, em atenção ao ato que fez o Papa. Mas como foi incompleto, a conversão da Rússia permanece para mais tarde. Rússia será, mais uma vez, o açoite com que Deus nos castiga. Nosso Senhor disse que enquanto “a presente aflição” (ou seja, a Segunda Guerra Mundial) seria abreviado pela consagração do mundo, a paz mundial não será concedida sem a consagração explícita Consagração da Rússia feita pelo Papa junto com os bispos. O pedido exato de Nossa Senhora era que o Santo Padre fizesse a consagração da Rússia ao seu Imaculado Coração, ordenando que, ao mesmo tempo, e em união com Sua Santidade, o fizessem todos os Bispos do mundo católico. Nossa Senhora não pediu a consagração do mundo a seu Imaculado Coração. O que Ela pediu especificamente foi a consagração da Rússia. “O que Nossa Senhora quer é que o Papa e todos os bispos do mundo consagrem a Rússia ao seu Imaculado Coração em um dia especial. Se isso for feito, Ela converterá a Rússia e haverá paz. Se isso não for feito, os erros da Rússia se espalhará para todos os países do mundo.”

Em uma revelação de 1952, Nossa Senhora disse: “Que o Santo Padre saiba que sempre estou esperando da Consagração da Rússia ao Meu Imaculado Coração. Sem esta Consagração, Rússia não poderá se converter, nem o mundo terá a paz.” Esta consagração é um elemento crucial da Mensagem de Fátima, junto com a chamada à penitência. “O bom Deus está deixando aplacar, mas se queixa amarga e dolorosamente do número limitadíssimo de almas em graça disposta a renunciar-se em quanto ao que delas exige a observância de sua Lei. Esta é a penitência que o bom Deus agora pede: O sacrifício que cada pessoa tem que impor a si mesmo para levar uma vida de justiça na observância de sua Lei. E deseja que se faça conhecer com clareza este caminho as almas; que muitos, julgando o sentido da palavra ‘penitencia’ das grandes austeridades, não sentindo forças nem generosidade para isto, se desanimam e descansam em uma vida de tibieza e pecado. Deus deseja que as almas compreendam que a verdadeira penitência que Ele agora quer e exige, consiste, sobretudo, no sacrifício que cada um têm que impor para cumprir com os próprios deveres religiosos e de ordem temporal.” Nosso Senhor disse: “O sacrifício que exijo de cada um é o cumprimento do próprio dever e a observância da minha Lei; esta é a penitência que agora peço e exijo.” Lamentavelmente temos que constatar que não se tem cumprido, nem por parte da Hierarquia nem dos fiéis, das condições exigidas pela Virgem sobre a renovação da vida cristã e da reparação, consagração da Rússia ao seu Imaculado Coração realizada pelo Papa e todos os Bispos do mundo, rezo do Santo Rosário e devoção dos cinco primeiros sábados de meses consecutivos. Portanto, não haverá paz, senão guerras e revoluções; o comunismo será imposto sobre as nações, e a Igreja sofrerá perseguição e transtornos. Tudo isto está à vista.

Sem esta consagração, Rússia não se converterá e o mundo não terá paz. Este fato deve ser enfatizado em nosso tempo quando as guerras e os rumores de guerras estão crescendo continuamente, e quando a assolação potencial que é causada pelas armas poderosas da guerra moderna, excedem muito qualquer coisa já experimentado antes na história. Nossa Senhora veio trazer a paz ao mundo e a fundação da paz é manter o estado de graça. Guerras não são nada além de castigo pelos pecados do mundo.

Por isso é útil voltar a meditar sobre o pedido de Nossa Senhora que o Papa, em união com todos os bispos do mundo, consagra a Rússia ao seu Imaculado Coração. O pedido da Consagração da Rússia tem sua origem no início das visitas de Nossa Senhora a Fátima. Em 13 de julho de 1917, em Fátima, no mesmo dia em que Ela tinha mostrado aos pastorzinhos a visão do Inferno, Nossa Senhora prometeu voltar a pedir a Consagração da Rússia.

Fiel a sua palavra, a Santíssima Virgem, junto com a Santíssima Trindade, visitou a sor Lucia em 13 de Junho de 1929, em Tuy, Espanha. “Chegou o momento em que Deus pede ao Santo Padre que faça, em união com todos os Bispos do mundo, a Consagração da Rússia ao Meu Imaculado Coração; prometendo salvá-la por este meio.” Não pediu ao Papa para consagrar o mundo, mas a Rússia. Jesus explicou que não convertia à Rússia sem que Sua Santidade fizesse esta consagração, “porque quero que toda a minha Igreja reconheça essa consagração como um triunfo do Imaculado Coração de Maria, para depois estender seu culto e colocar, ao lado da devoção do meu Coração Divino, a devoção a este Coração Imaculado.”

Durante onze anos São Pio XI e São Pio XII haviam omitido repetidas vezes aos pedidos de consagrar a Rússia, pelo que, em uma tentativa de conseguir que o Papa fizesse algo pelo menos em forma de uma consagração, um bispo pediu-lhe para a consagração do mundo com uma “menção especial” de Rússia. Nosso Senhor respondeu que, se o Papa o fizesse assim como o Bispo lhe havia pedido, recompensaria este ato por abreviado os dias da Segunda Guerra Mundial, mas que não realizaria a paz mundial, uma vez que teria alcançado a consagração explícita da Rússia pelo Papa, junto com todos os bispos. O Papa Pio XII consagrou o mundo, sem nomear a Rússia, ao Imaculado Coração em 1942.

Em 1952, Nossa Senhora apareceu e disse: “Que o Santo Padre saiba que estou sempre esperando a consagração da Rússia ao Meu Coração Imaculado. Sem essa Consagração, Rússia não poderá se converter, nem o mundo terá paz.” Assim, dez anos após a consagração do mundo de 1942 pelo Papa São Pio XII, Nossa Senhora está recordando que a Rússia não se converterá nem haverá paz a não ser que até  Rússia seja consagrada pelo seu nome. Por isso está claro que a Consagração de Rússia necessita de especificar e distinguir a Rússia do resto do mundo. Em suma, uma Consagração da Rússia precisa nomear a Rússia na Oração da Consagração. Lembremos que ‘consagrar’ significa dedicar e colocar aparte uma pessoa (ou pessoas), um lugar ou algo para um propósito santo. A Consagração da Rússia significa que Rússia (a nação da Rússia) é distinguida e colocada aparte do resto do mundo e será dedicada ao serviço do Imaculado Coração de Maria.

O Papa São Pedro II escreveu: “Nós, perguntamos aos que querem ouvir-nos: Onde estão os virtuosos frutos alcançados por João Paulo II através de suas relações e discursos? Onde estão a pacificação do mundo, o triunfo sobre o comunismo, o desmoronamento dele, e inclusive a conversão da Rússia, atribuídos a João Paulo II? Pensais acaso que o regime atual russo não é mais comunista ou poderoso, e que a sua opressão sobre outras nações cessou porque a Rússia se converteu? Quem pensa assim, pensa nesciamente. Bem é verdade que, no regime comunista russo, existe uma diplomática confraternidade com as demais nações por razões de política internacional e interesses económicos, mas sempre sem renunciar a seus antigos planos imperialistas. Deve-se ter em conta que, se a pressão imperialista russa na Europa está se aplacando momentaneamente, é também por razões de novas tácticas secretas do comunismo, como é de continuar agora infiltrando seus erros maneira solapada e pacifica, pelas distintas nações dos cinco continentes; e, bem comprovada está, que os erro do comunismo se espalharam e fez raízes por todos os países do mundo. Com o qual se cumpriu uma das mensagens da Virgem Maria em Fátima, que a Rússia espalharia seus erros. Fica bem claro, que a conversão só é possível se aceitam integramente os ensinamentos da Verdadeira Igreja de Cristo, a autoridade do Papa, e levar tudo a praticar incondicionalmente.”

Nunca devemos esquecer a promessa profética de Nossa Senhora: “Por fim Meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre me consagrará à Rússia que se converterá e será concedido ao mundo algum tempo de paz.” Dizia a vidente: “O que Nossa Senhora quer é que o Papa e todos os bispos do mundo consagrem a Rússia ao seu Imaculado Coração em um dia especial; se o fizerem, Ela converterá a Rússia e haverá paz. Se não for feito, os erros da Rússia se espalhará por todos os países do mundo.” E, por desgraça, não se cumpriu a consagração, e os erros se espalharam.

A Mensagem de Fátima nos pede que rezemos pela Consagração da Rússia para que este triunfo venha logo e a aniquilação das nações seja evitada. Nosso Senhor nos disse, “Nunca será tarde para recorrer a Jesus e Maria.”

Em El Palmar, em 11 de setembro de 1970, a Santíssima Virgem Maria reclamou porque realizavam seus desejos “de forma incompleta; como aconteceu com a Consagração da Rússia a meu Imaculado Coração; por isso a Rússia estende os seus erros, embora que no final se converte.”

Em 22 de agosto de 1978, no final de seu Quarto Documento Pontifício, o Papa São Gregório XVII escreve a frase: “Nos, como Supremo Pastor, em nome de toda a Igreja, aproveitamos este dia para consagrar a Rússia ao Imaculado Coração de Maria.” Isso também não chega a ser uma solene consagração celebrada pelo Papa em união com todos os bispos do mundo.

O Senhor disse: “O número daqueles que me servem na prática do sacrifício é muito limitado; Eu preciso de almas e sacerdotes para me sirvam no sacrifício por Mim e pelas almas” Em outra comunicação se lamentou o bom Deus, com grande amargura, da vida pecaminosa, tíbia e lânguida de grande número de sacerdotes, religiosos e religiosos; almas das quais Ele esperava reparação e em vez disso lhe move a para a indignação e castigo; e disse que se a sua justiça não era aplacada pelo meio que pediu, faria isso pelo sangue dos mártires. Por conseguinte, merecemos o pior, pois Deus permitiu a dilatação da consagração da Rússia (e consequentemente a conversão prometida) para logo purificar-nos mais e mais dos nossos pecados.

Na Bíblia Sagrada, quando o Povo de Israel estava acampado em Cadesbarne, onde começa a terra de Canaã, Moisés transmitiu ao seu Povo o seguinte mandato de Deus: “Olhem, oh filhos de Israel, a terra que vos dá o Senhor Deus, como prometeu a vossos pais. Suba, pois, e ocupá-la. Não tenhais medo algum, já que o Deus Todo-Poderoso colocara em vossas mãos.” Mas, muitos daquele povo, ouvindo as palavras de Moisés, em vez de confiar no poder divino, se encheram de espanto ao pensar que tinham que enfrentar os inimigos que habitavam nas montanhas e nos diferentes territórios de Canaã. Além disso, muitos daquele Povo de Israel, com grande tendência ao desanimo e à incredulidade, colocavam em dúvida que a Terra Prometida fosse tão rica e fértil como o Senhor e Moisés havia dito a muitas vezes. Moisés se irritou, já que davam sinais de insolente desconfiança na palavra e em favor de Deus. Era o desejo de Deus, comunicado a Moisés, que Israel, com valor e confiança no poder divino, adentrassem sem mais na Terra Prometida. Esta decisão divina não foi aceita por muitos israelitas, pois diziam: “De modo algum poderemos enfrentar os habitantes de Canaã, porque são mais fortes que nós.” Alguns diziam que as cidades de Canaã eram absolutamente inexpugnáveis; e inclusive diziam que, nem com a ajuda de Deus, poderiam conquistar esta terra, o que implicava uma desconfiança e um desprezo blasfemos da paternal providência do Senhor para com eles. Disse o Senhor a Moisés: “Até quando blasfema de Mim esse povo? Até quando não acreditaram em Mim, depois de tantos milagres como fiz diante deles?” O Senhor então lhes impôs castigos: “Todos os filhos de Israel andaram vagando pelo deserto até que se cumpram quarenta anos da saída do Egito, pois antes não entraram na Terra Prometida. Desta maneira, pagareis a pena de vossos pecados de infidelidade e desobediência.”

A história se repete. Em Fátima a Santíssima Virgem Maria obrou grandes prodígios aos olhos do povo; logo indicou a maneira fácil e simples de conquistar, com sua ajuda onipotente, uma nova terra prometida: a Rússia. Mais uma vez, não se cumpriu o mandato do Céu, e os resultados são a perdição de inumeráveis almas, e que a Igreja, o povo de Deus, está novamente exilado durante mais de quarenta anos no deserto.