Santa-Teresa-resize

Mensagens de Santa Teresa de Jesus Coroada a Clemente Domínguez y Gómez, hoje o Papa São Gregório XVII, Magníssimo

Dia 4 de janeiro de 1970

   (Sagrado Lugar do Lentisco de El Palmar de Troya. Aparições e Mensagens a Clemente Domínguez)

 Santa Teresa de Jesus

   «Eu intercedo por minha amada Espanha, mas deveis invocar a minha filha Teresinha, predestinada pelo Eterno Pai para a salvação do mundo. Eu quero a vós”. (Um dos presentes disse que ela era a mulher mais grande depois da Virgem Maria, e Santa Teresa respondeu) «Não, filho; isso é aos olhos humanos. Deus dispõe as coisas de maneira sabia. Você se esqueceu dos grandes santos. Todos nós temos grande harmonia na Corte Celestial: A vosso São Tiago Apóstolo, ao Santo Rei Fernando, a Santo Alberto Magno, a São Martín de Porres, que ocupa um lugar proeminente no Céu por sua humildade, pelo desprezo do mundo para ele. Ao seu Santo Clemente Papa e Mártir, que deu sua vida em defesa da Verdade. Sevilha deve agradecer a São Clemente. Meus filhos: Claro que, a Família de Jesus Cristo está acima de todos os Santos.

   Meu filho: Não se esqueça de pedir uma mediação ao Padre Pio. Você deve orar para apressar sua canonização. É meu desejo, e partilhado com a vontade da Virgem Maria, que, depois da sua canonização, tenha um altar privilegiado na futura Capela deste Lugar Sagrado, para que nos dias de trevas ele os proteja».

Dia 28 de setembro de 1970

   (Sagrado Lugar do Lentisco de El Palmar de Troya. Se apareceu a Clemente Domínguez a Excelsa Reformadora Santa Teresa de Jesus. Depois de lhe falar sobre a Doutrina da Ressurreição de São José e de sua Assunção em Corpo e Alma ao Céu, Mensagem dizendo:)

Santa Teresa de Jesus

   «Filhos meus: peço a todos vós que sejais muito devotos a São José, como eu fui. Deveis imitar suas virtudes. Ele sempre intercede por vós. Peça sempre pela intercessão de São José, pois Ele tem grande poder diante do trono de Maria. São José tem uma grande glória, muito grande; e aqueles que o imitam têm grande glória no Céu. Os bendigo”. (O vidente teve uma visão de São José, no Céu, cheio de glória.)

Viagem Apostólica de Clemente Domínguez y Gómez pela Espanha

Dia 3 de agosto de 1971

   (Alba de Tormes-Salamanca, Espanha. Capela do Convento das Carmelitas Descalças. Santa Teresa de Jesus apareceu a Clemente Domínguez e deu-lhe a seguinte Mensagem:)

Santa Teresa de Jesus

   «Meu querido filho: O Bom Jesus, Senhor dos senhores, Rei dos reis, Senhor dos exércitos, Delícia dos bem-aventurados, Mediador entre o Pai e a humanidade, Servo dos pobres, Conforto dos moribundos, enviou-te a este lugar onde descansa minha pobre carne, esperando a ressurreição, para receber as palpitações do meu coração, meu fôlego, meu espírito, minhas forças, e permanecer firme nos contratempos, caminhos adversos, mortificações e desprezo dos homens, típicos de quem segue o Amigo Jesus.

   Meu filho: Quanto mais combates você receber, ultrajes, desprezo, ataques infernais, bofetadas de seus irmãos, abandono de seus entes queridos, você poderá dizer: Esta Obra é de Deus! Pois Jesus foi combatido, ultrajado, injuriado, esbofeteado, tratado como blasfemo e acusado de conspirador contra César; Foi condenado à morte na Cruz, abandonado pelos seus entes queridos, os seus próprios discípulos; mas no terceiro dia ele ressuscitou gloriosamente. Se você quer ressuscitar com Cristo, aceite a cruz. Se você deseja ressuscitar com Satã, entregue-se aos prazeres mundanos.

   YO FUI MUITO MAL TRATADA PELOS MESMOS CIDADÃOS, POR MEUS IRMÃOS NA RELIGIÃO E CRUELMENTE AFRONTADA PELA HIERARQUIA ECLESIÁSTICA. Minhas viagens foram tomadas como capricho de uma mulher inquieta; os mandatos do meu Jesus foram vistos como minhas imposições contra a Doutrina Paulina; estive prestes a ser sentenciada pelo Tribunal Inquisidor. MAS NÃO PODERAM CONTRA MIM: NEM LAICOS, NEM MINISTROS, NEM BISPOS, NEM CARDEAIS, POIS CHEGOU UM MOMENTO EM QUE TIVE QUE DESOBEDECER A MEUS SUPERIORS TERRENAIS, E SEGUIR OS MANDATOS DO GRANDE LEGISLADOR, JESUS CRISTO, MEU DIRETOR SUPERIOR, AO QUE ESTAVA OBRIGADA SOB PENA DE CONDENAÇÃO ETERNA.

   Se eu tivesse desobedecido a Jesus e obedecido a meus superiores terrenos, não teria ocorrido a magnífica Reforma do Carmelo, que tanto bem fez à Igreja e ao mundo. Mais tarde, depois de sepultado meu corpo, a Santa Madre Igreja elevou-me aos altares e concedeu-me inúmeros títulos, culminando agora com o de Doutora da Igreja. A tudo isso veio da minha submissão ao Rei dos reis.

   Meu filho: Obedeça a Jesus, sempre tenha a certeza de que, o que ouve, é a doce voz do Filho de Deus e Irmão dos homens. Cuidado com a falsa obediência à Hierarquia Eclesiástica, pois quando se trata dos Direitos de Deus e da salvação dos homens, não há poder na terra, senão Daquele que recebeu todo o poder do Pai. Por fim, peço a todos aqueles que se dedicam a divulgar as maravilhas que Jesus e Maria estão fazendo sobre a terra, que sejam bem-vindos sob meu patrocínio alcançaram a pluma inspiradora. Os bendigo».

10 de março de 1977

   (Sevilha. Casa Geral. Hora 2,25. Durante os Cultos na Capela, Nosso Senhor Jesus Cristo apareceu ao Bispo Primaz Padre Fernando. Poucos minutos depois Santa Teresa de Ávila apareceu a ele. O Senhor disse:) «Aqui está entre vós à Reformadora do Carmelo, Teresa de Ávila, vossa protetora». (Santa Teresa dá ao Padre Fernando a seguinte Mensagem:)

Santa Teresa de Ávila

   «Como estou feliz com as meus Carmelitas da Santa Face! E se vós soubésseis que, quando eu estava na Terra, meu amado Esposo Jesus Cristo me comunicou que algum dia, nos Tempos Apocalípticos, seria fundada a Ordem dos Carmelitas da Santa Face! E que seria uma grandiosa Ramo da minha Reforma. Quantas graças virão sobre vós muito em breve, muito em breve! Muito perto! Portanto, o Senhor aumentou vossas orações e penitências para prepará-los para grandes acontecimentos na Igreja, de cujos acontecimentos, vós sereis uma parte muito importante.

   Oh, meus queridos filhos, Carmelitas da Santa Face! Quanto vos amo! Porque, onde está agora o espírito da Reforma? O que resta do espírito da Reforma, nos Carmelitas atuais, no mundo? Estão se unindo com os calçados e mudando toda a Reforma, caminhando em direção ao Progressismo. Que pena contemplar a Ordem que tanto me fez sofrer para reformá-la! MAS, VÓS MANTÉM O ESPÍRITO DAQUELA REFORMA. O ESPÍRITO DE ORAÇÃO E PENITENCIA. O ESPÍRITO DE ACATAMENTO À VONTADE DIVINA. LUTAIS CONTRA A HIERARQUIA INÍQUA, QUE GOVERNA HOJE A IGREJA SANTA. Eu sei dessas coisas! Eu tive que lutar contra Bispos iníquos, Superiores iníquos, Núncios iníquos, etc. Mas os ímpios de hoje, são piores do que os daquela época. Toda a oração e penitência que fazeis é pouco para reparar a Deus por tantas ofensas, por tantas queixas.

   Quantos carmelitas, de hoje em dia, dão maus exemplos com seu progressismo devastador! Quantos Bispos da Igreja oficial abandonaram a Sã Doutrina e se juntaram ao Marxismo, à Maçonaria e aos hereges! Vós sois o pequeno rebanho que o Bom Pastor, Cristo Jesus, tem. Faça muita oração e penitência, muita oração e penitência, muita oração e penitência. O grande cataclismo sobre a humanidade já está às portas.

   OH, CARMELITAS DA SANTA FACE! VOCÊS SÃO AS ESTRELAS LUMINOSAS DA IGREJA NO MEIO DA CONFUSÃO REINANTE. Mas, tem que se aperfeiçoar. Ainda tem muitos defeitos. E, essa perfeição se consegue, mais do que com livros, mais do que com leituras, com oração e penitência e santa obediência ao vosso Padre Geral». (Depois de dar algumas instruções sobre a oração, Santa Teresa continua) «Quantas graças receberás! Quantas! Serão inumeráveis e muito próximas. Vale a pena fazer oração e penitência para receber tantas graças que vão maravilhar o mundo. Algumas graças não concedidas a muitos outros santos. Quantas maravilhas terás na Ordem das Carmelitas da Santa Face! E agora, obedecendo ao seu Reformador, continue com as orações, após minha bênção. Eu te abençoo “. (Santa Teresa pôs o seu Coração na mão do Padre Fernando. O vidente diz: “E como está este Coração transverberado aqui na minha mão e também guardado em Castela?” Santa Teresa responde) «Meu filho: Mistérios Divinos. Não seja tão curioso. Você saberá tudo no devido tempo. Agora, a pedido da Bem-Aventurada Virgem Maria, incorpore este Coração no seu! » (O vidente pressionou com força em seu coração, o Coração do Médico Místico.)

6 de agosto de 1978

Santa Teresa de Ávila

   «Queridos filhos: Eis que vos fala o Reformador do Carmelo: Parabéns, porque o vosso Fundador e Padre Geral foi exaltado à dignidade de Vigário de Cristo. E esta tarde, até a natureza anunciou o encontro com o bater da borboleta. Não foi uma coisa casual. Foi um anúncio profético para os humildes e simples de coração ». (Explicação: Pouco depois de sabermos da morte do Papa Paulo VI, éramos vários religiosos que acompanhavam o Pontífice Máximo, Gregorio XVII, na porta de sua cela, em Santa Fé de Bogotá. Vimos como uma grande borboleta entrava pela rua , Subiu as escadas e, tremulando, pousou bem no centro da moldura da porta da cela. Chamamos várias outras, incluindo nossas freiras que estavam na capela, para testemunhar o acontecimento. Pouco depois, a borboleta entrou na cela. Sua Santidade Todos vimos isso como um sinal claro, um sinal da presença do sucessor de Paulo VI. A borboleta foi capturada e preservada. Santa Teresa continua a falar) «A partir de agora, Madre Geral, Madre Teresa, torna-se Co- fundador, com o Padre Geral, para o ramo feminino. Ela é a cofundadora. Eu te abençoo “. criança e vai pegar a caneta inspiradora. Eu te abençoo “.

Biografia de Santa Teresa de Jesus Coroada

4 de outubro

Religiosa. Fundadora. Matriarca. Doutora. Excelsa Mística. Estigmatizada. Mártir Espiritual. Confirmada em graça. Reformadora do Carmelo e Insigne Protetora dos Carmelitas da Santa Face.

Chamada no século Teresa de Cepeda e Ahumada, nasceu em Ávila, Espanha, no dia 28 de março de 1515. Era filha do Santo Alfonso Sánchez de Cepeda e sua segunda esposa Santa Beatriz de Ahumada, cujo casamento teve dez filhos. foi batizada na paróquia de São João de Ávila. De um temperamento ativo e determinado, aos sete anos de idade, movida pela leitura da vida dos santos, convenceu seu irmão Rodrigo a ir para a terra dos mouros para sofrer o martírio por Cristo, sendo detidos na saída de Ávila por um tio deles que os devolveu a sua casa. No entanto, seus piedosos sentimentos de infância esfriaram um pouco quando chegou à puberdade, devido à leitura de livros de cavalaria, que exaltaram sua imaginação, gostando de galas e passatempo, embora sem ofender gravemente a Deus.

Após a morte de sua mãe em 1528, ela se entregou como órfã nos braços Santíssima Virgem Maria. Para sair dos perigos do mundo e para receber uma educação piedosa, em 1531 seu pai a confiou como interna no convento agostiniano de Santa María de Gracia, em Ávila, cujas freiras acolhiam donzelas ricas que iam ali para se aperfeiçoarem no estudo da religião e na prática das virtudes. Aqui ela começou a rezar muito e a pedir que rezassem por ela, para que Deus lhe mostrasse claramente o caminho pelo o qual ela o serviria melhor. E ainda que ela não desejava ser freira, sabia que o amor humano não durava para sempre e decidiu a tomar o véu religioso, mas em uma Ordem menos austera do que as agostinianas. Descobriu sua vocação em meio a lutas inexplicáveis, em 1532 ela ficou doente e passou uma temporada em Hortigosa com seu tio Pedro Sánchez de Cepeda e em Castellanos de la Cañada com sua irmã María de Cepeda, que estava casada. Volta a Ávila, depois de grandes reflexões, revelou para seu pai a firme decisão de ser tornar religiosa e, e ele, embora muito virtuoso, resistiu a ser privado de sua filha predileta. Depois de intensas lutas internas, em 2 de novembro de 1535, aos vinte anos de idade, Santa Teresa fugiu de casa muito cedo e entrou no mosteiro carmelita da Encarnación de Ávila, que já havia visitado várias vezes antes, no qual a vida religiosa era muito relaxada, pois, infelizmente, a Ordem Carmelita havia sido enfraquecida ao se afastar das Regras primitivas. A Santa diz sobre sua determinação: “Quando saí da casa do meu pai, não acredito que o sentimento será isso que mais me mate; porque me parece que cada osso estava se separando…” dentro do mosteiro, havia freiras que viviam opulentamente, até com criadas, e outras que careciam do necessário para sobreviver. Praticamente não existia a clausura. Em 31 de outubro de 1536, seu pai assinou a carta de dote da filha e ela tomou o hábito em 2 de novembro do mesmo ano. A respeito disso ela escreve: “Ao tomar o hábito, logo o Senhor me deu a entender como ele favorece aqueles que se esforçam para servi-lo…” Em 3 de novembro de 1537, fez sua profissão religiosa. A partir de então, redobrou suas exigências consigo mesma e entregou-se a grandes penitências, entre lutas espirituais e securas. Sua saúde se debilitou de tal maneira, que seu pai enviou à Encarnación os melhores médicos de Ávila e arredores para a Encarnación, mas ela foi de mal a pior. No outono de 1538, teve que sair da Encarnación e ir para a casa de seu pai por uma longa temporada devido a sua enfermidade. E apesar que procurou sua saúde por outros meios, a doença piorou, até o ponto que em 15 de agosto de 1539, à noite, teve uma síncope que durou três dias; e foi tomada por morta e até estava preparada para o enterro. No entanto, seu pai resistiu em admitir a morte da filha e se opôs a enterrá-la. De volta a si, regressou enferma a Encarnación e, em abril de 1542, sentiu-se curada pela intercessão de São José. Por longos anos, Santa Teresa continuou levando a vida monástica entre as securas e as lutas espirituais. Os locutórios de Encarnación eram como salões mundanos frequentados por cavalheiros e damas da nobreza. Santa Teresa, cujo nome já havia sido conhecido por Ávila, era a atração principal, recebendo visitas de inúmeras pessoas e indo ao locutório como os outros. Em 26 de dezembro de 1543, seu pai San Alfonso Sánchez de Cepeda morreu, sendo assistido por sua filha.

Em 1554, obrou em Santa Teresa uma profunda transformação interior, com a decisiva entrega a Deus, ao contemplar uma devota imagem de Cristo em chagas. Ela expressa assim: “Eu me lancei sobre Ele com um grandíssimo derramamento de lágrimas, suplicando-lhe que me fortalecesse de uma só vez, para não o ofender-lhe. Pareceu-me que disse que não devia levantar-me de ali até que Ele fizesse o que lhe suplicava”. Desde então começou a experimentar uma profunda mudança em sua vida, evitou a locutório e redobrou a constância e o ardor da oração. Os fenômenos místicos eram frequentes e os confessores da Encarnación não a entendiam, e até alguns mais renomados a intimidavam dizendo que os favores espirituais que ela dizia receber só davam a pessoas muito virtuosas, e que tivesse cuidado para que o diabo não a lhe enganasse. Cristo manifesta para ela e diz: “Não há medo, minha filha, Sou Eu, não te desampararei você”. As visões de Cristo se repetiam, e ao mesmo tempo o amor de Deus crescia nela, um amor tão ardente, que se fazia quase irresistível, como ela mesma escreve: “Começou sua Majestade, como lhe havia me prometido, para mostrar que era Ele, crescendo em mim um amor tão grande de Deus que eu não sabia quem o colocou em mim, porque era muito sobrenatural, e eu nem o procurava. Eu me via morrer com o desejo de ver a Deus … que verdadeiramente me parecia que arrancava minha alma”. Em 1557, passou por Ávila o Padre jesuíta San Francisco de Borja e deu a ela sábios conselhos, deixando-a muito sossegada e consolada.

Em 25 de janeiro de 1560, Santa Teresa recebeu a graça da Transverberação em seu coração, e com ela o dom extraordinário da Confirmação na Graça. Ela descreve a si mesma: “Vi um Anjo me encaixar no lado esquerdo em forma corporal … Ele não era grande, mas pequeno, muito bonito, seu rosto tão aceso que parecia um dos Anjos mais altos… vi em suas mãos um longo dardo de ouro, e final do ferro me parecia ter um pouco de fogo; isso me parecia atravessar o meu coração algumas vezes que me chegava a entranhas. Ao tirar, parecia que estava levando consigo, e me deixava toda abrasada em grande amor de Deus…”. Depois desse grande favor divino, continuaram as incompreensões de alguns confessores inexperientes. Em agosto de 1560, o padre franciscano San Pedro de Garavito, de Alcântara, um homem muito experiente em assuntos místicos, a visitou em Ávila, a quem a Santa deu conta de sua vida com clareza e verdade. Esse santo frade deu luz em tudo e disse a ela não ter pena, louvar a Deus e ter certeza de que tudo vinha Dele. Dias depois, a Santa teve uma espantosa visão do inferno. Numa ocasião, nas escadas do mosteiro da Encarnación, encontrou-se com um lindo Menino, cerca de doze anos de idade. A Santa pergunta a ele: “Tu quem és?”, e o Menino disse: “e tu?”, a Santa respondeu: “Eu sou Teresa de Jesus”, e o Menino disse: “Pois Eu Sou Jesus de Teresa”.

Em setembro do mesmo ano de 1560, Santa Teresa de Jesus, pensando na vida solitária que o Profeta São Elias e seus filhos carmelitas levaram no Monte Carmelo, movida por Deus, decidiu reformar a Ordem Carmelita e fundar um convento com o rigor de as regras primitivas de Santo Alberto de Jerusalém, cujas características essenciais eram a clausura total, o jejum, o silêncio, penitência, ao qual ela adicionaria alguns outros, como os pés descalços e a vida de esmolas. Por mandato divino, o novo mosteiro estaria sob a dedicação de São José. Para isso, teve o apoio de Santo Pedro de Garavito, de Alcântara, e outros protetores notáveis. Com a autorização do Bispo e um breve pontificado do Papa São Pio IV, Santa Teresa fundou o convento de São José em Ávila em 24 de agosto de 1562, primeiro da Reforma ou os Pés Descalços, onde instalou as primeiras freiras, que desde então eles viveram dedicados à oração e penitência, com grande austeridade, extrema pobreza estreita clausura. Santa Teresa teve que superar bravamente várias dificuldades e enfrentar grandes perseguições, especialmente a oposição de muitas das freiras do convento da Encarnación e o alvoroço da mesma cidade, cujo Conselho tentou suprimir o convento, mas o Senhor assegurou que Santa Fundadora que não se desmoronaria. As contradições foram finalmente acalmadas e, em 1563, ela obteve uma licença para deixar a Encarnación e se juntar às filhas em São José. A Santíssima Virgem Maria cobriu com o seu celestial manto as freiras do primeiro mosteiro carmelita reformado.

Santa Teresa seguia gozando dos mais altos êxtases e visões celestiais. O rei São Filipe II, desejoso de reformar a vida dos mosteiros em seus reinos, convidou ao General dos Carmelitas, Padre Juan Bautista Rubeo, para visitá-los. Em 1567, o padre Rubeo veio para a Espanha, visitou seus conventos em Castela e foi admirado com a Reforma Teresiana, pela qual ele concedeu à Santa licença para fundar novas casas de freiras, inclusive frades, a quem ela chamava de “Pombal da Virgem Nossa Senhora”. Em 15 de agosto do mesmo ano, Santa Teresa fundou seu segundo convento em Medina del Campo-Valladolid. Aqui entrou em contato com São Juan de la Cruz, que havia completado recentemente seus estudos em Salamanca, havia recebido a ordenação sacerdotal e pretendia deixar a ordem do Carmelo para entrar na Cartuxa. Santa Teresa o convence a se juntar a ela na Obra da Reforma, tornando-se o colaborador mais próximo nos planos de reforma da Santa. Em 1568, ela fundou em Duruelo-Ávila, o primeiro convento da Reforma dos frades descalços; e em 28 de novembro do mesmo ano, foi inaugurado por San Juan de la Cruz e Antônio de Heredia. Essas fundações seguiram por outras freiras e frades. Em 1571, por ordem do Visitador Apostólico, Santa Teresa foi nomeada prioresa do mosteiro de calçados da Encarnación por três anos, onde a vida religiosa foi cada vez mais relaxada. A Santa Fundadora, movida por Deus, aceitou o priorado e, em 14 de outubro do mesmo ano, assumiu o cargo em meio a um grande tumulto das freiras que se recusavam a aceitá-la. No primeiro capítulo, depois de apresentar às freiras a imagem de Nossa Senhora da Clemência, como a verdadeira prioresa, falou na cadeira do convento que pertencia à Santa, com tanta sinceridade, razão e bondade, que até os corações mais duros se renderam. A Santa Fundadora se preocupo para que não faltasse comida as freiras, colocou tudo em perfeita ordem, terminou o locutório e estabeleceu a disciplina monástica; também o colocou como confessor a São Juan de la Cruz. Em pouco tempo, as freiras deram uma mudança radical em seus costumes, sendo modelos de oração, sacrifício e recolhimento. Em 18 de novembro de 1572, o Senhor que apareceu a Santa Teresa, disse-lhe: “A partir de agora, não apenas como Criador, e como Rei e seu Deus, você olhará para minha honra, mas como minha verdadeira esposa; a minha honra já é tua e a tua é minha”. Nesse mesmo ano, o Senhor disse: “Você acredita minha filha que está o merecer de deleitar? Não está apenas em obrar, em padecer e em amar. Acredite, minha filha, que quem meu Pai mais ama, dá maiores trabalhos, e isso responde o amor. Como posso mostrar que o que quero para ti é o mesmo quis para mim?”. Em 6 de outubro de 1574, acabou os três anos do priorado, e a Santa retornou ao mosteiro reformado de São José de Ávila. Em 1575, Santa Teresa conheceu o Padre San Jerónimo Gracián por causa da fundação de Beas de Segura-Jaén, que seria seu confessor e ocuparia altos cargos na Reforma Carmelita, que ganhava cada vez mais força todos os dias. No ano de 1576, o Senhor disse: “Você já conhece o desposório que existe entre ti e Mim, e tendo isso, o que Eu tenho é teu, e assim eu lhe dou todos os trabalhos e dores que passei, e com isso você pode pedir ao meu Pai como coisa própria”.

Logo surgiram novas dificuldades promovidas pelos chamados Carmelitas Calçados, refratários à Reforma Teresiana, e por outros inimigos da mesma.  Seus planos reformadores e fundacionais, acarretaram sérios conflitos a Santa Teresa com autoridades civis e eclesiásticas. Mas ela, com vigoroso ânimo, em meio a suas doenças e penúria econômica, enfrentou bravamente grandes reveses, calúnias e perseguições, dizendo: “Cristo e eu, a maioria”. A tal ponto que chegou a sofre por um processo inquisitorial do qual saiu livre.  O próprio Padre Rubeo, general da Ordem Carmelita, que anteriormente era um grande defensor da reforma de Santa Teresa, muito influenciado pelos rumores, a proibiu de fundar novos conventos e a obrigou a permanecer presa em um convento em Toledo. O novo núncio Felipe Sega chegou a Madri com a ânimo de acabar com a Reforma, e chamou Santa Teresa de Jesus “Mulher inquieta e andarilha, desobediente e contumaz”; e também a acusou de inventar más doutrinas, de deixar a clausura e de ter fundado sem licença do Papa ou do Pai Geral da Ordem. Em 1578, a Sega submete aos descalços e descalças à autoridade dos calçados provinciais. A sinistra e vingativa princesa de Éboli, Ana de Mendoza, também deu suas mordidas ferozes contra a Santa Fundadora. Continuaram as ameaças, calúnias e sofrimentos para Santa Teresa e seus descalços. Seu maior colaborador, San Juan de la Cruz, também foi vítima de perseguição cruel e prisão por calçados, com tratamento desumano. San Jerónimo Gracián também é perseguido de morte e trancado no Convento dos calçados, em Madri. A luta foi tão grande que a Reforma pareceu sucumbir.

Santa Teresa de Jesus escreveu primeiro ao rei da Espanha, San Felipe II, pedindo ajuda para sua obra, e mais tarde foi recebida em audiência pelo monarca na Fortaleza de Madri. São Filipe II, uma pessoa de retidão impecável e profunda religiosidade, muito identificado com a Reforma e um grande admirador da Santa, usando sua autoridade, chamou o núncio Sega e o repreendeu severamente por sua má atitude e ele não teve outra saída senão obedecer ao rei. A perseguição contra o Carmelo Reformado foi interrompida. O grande monarca, em 1580, obteve do Papa São Gregório XIII, que os conventos descalços, fundada pela Santa Teresa constituíam uma província independente dos calçados, com a qual a Santa Reforma Carmelita foi assegurada e consolidada.

A Excelsa Reformadora fundou um total de dezessete conventos e quinze frades. Os conventos de feiras foram: Em 1562, Ávila; em 1567, Medina del Campo; em 1568, Malagón; em 1568, Valladolid; em 1569, Toledo; em 1569, Pastrana, desfeita em 1574 por culpa da princesa de Eboli ; em 1570, Salamanca; em 1571, Alba de Tormes; em 1574, Segovia; em 1575, Beas de Segura; em 1575, Sevilha; em 1576, Caravaca, através da mediação de Ana de San Alberto; em 1580, Villanueva de la Jara; em 1580, Palencia; em 1581, Soria; em 1582, Granada, por meio de Santa Ana de Jesus; e em 1582, Burgos.

A saúde de Santa Teresa de Jesus foi extremamente prejudicada. As viagens, os sofrimentos, a saudade de Deus já haviam desgastado seu corpo. Seu companheiro inseparável e sua enfermeira eram Santa Ana de San Bartolomé. Em 1 de outubro de 1582, no convento de Alba de Tormes, anunciou que sua morte era iminente. Em 3 de outubro, os Últimos Sacramentos são confessados ​​e recebidos. Suas últimas recomendações para as suas filhas foram: “Minhas filhas e minhas senhoras: Pelo amor de Deus, peço a vocês que tomem muito cuidado com a observância da Regra e das Constituições, que as guardam com a pontualidade que devem, não é necessário outro milagre para canonizá-las; então veja o mau exemplo que esta má freira deu e há dado, e me perdoe”. Uma das expressões que saiu de seus lábios foi: “Está na hora, Esposo meu, de nos vermos”. Santa Teresa de Jesus morreu em 4 de outubro de 1582, aos 67 anos de idade, no convento de Alba de Tormes-Salamanca, pronunciando as palavras: “Te Agradeço, Senhor, porque morro filha da Igreja”. No dia seguinte à sua morte, devido à Reforma Gregoriana do calendário, foi no dia 15 de outubro. Seu corpo incorrupto, incluindo o coração, encontra-se em Alba de Tormes.

Como eminente escritora e   doutora mística, deixou importantes obras, que são verdadeiras joias da literatura universal. Com elas, o misticismo alcançou níveis muito altos de expressão e profundidade. A obra reformadora de Santa Teresa foi extremamente eficaz contra a expansão do luteranismo e de outras heresias.

O Papa São Gregório XVII Magníssimo, ensinou: “É doutrina infalível que a transverberação do coração da mística Doutora de Ávila, Santa Teresa de Jesus foi produzida pelo fogo na forma de um dardo, brotando impetuosamente do Deifico Coração de Jesus, como um sinal do selo indelével do esposo místico de ambos; cujo desposório era superior a todo o outro desposório místico concedido por Cristo a outros místicos. O dito desposório é diferente do desposório comum da vida religiosa e o correspondente à participação sacerdotal do Corpo Místico de Cristo”. “É doutrina infalível que a mística doutora de Ávila, Santa Teresa de Jesus, recebeu o dom da confirmação em graça no mesmo instante em que ficou misticamente desposada com Cristo por meio da transverberação”. “É doutrina infalível que a mística Doutora de Ávila, Santa Teresa de Jesus, está entronizada na glória celestial a continuação dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo”.

Interpretação infalível do Papa São Pedro II Magno, sobre as seguintes visões e escritos de Santa Teresa de Jesus: “Santa Teresa de Jesus teve uma visão da Ordem dos Últimos Tempos: ‘Os Carmelitas da Santa Face na Companhia de Jesus e Maria’, fundada pelo Papa São Gregório XVII Magníssimo.”

Diz Santa Teresa que, uma vez em oração, Deus a deu para entender “o grande benefício que uma Ordem deveria trazer nos últimos tempos, e com a fortaleza dela que deve sustentar a fé”. Pois nestes Tempos Apocalípticos, no meio da Apostasia Geral, a Fé Católica é sustentada pela valorosa Ordem dos Carmelitas da Santa Face, que é a renovação e a culminação da Ordem do Monte Carmelo.

Em outra ocasião, quando Santa Teresa rezou diante do Santíssimo Sacramento, um Santo apareceu para ela, que embora não lhe dissesse o nome, foi o Santo Profeta Elias, Fundador do Carmelo, que deu a entender que a Ordem do Carmelo voltaria a relaxar no fim dos tempos por causa do progressismo introduzido na Igreja Romana pelos inimigos da religião católica. E então ele mostrou um grande livro que tinha em suas mãos e disse a Santa Teresa para ler algumas cartas grandes e muito legíveis, nas quais se dizia: “Nos próximos tempos, essa Ordem florescerá; haverá muitos mártires”. Referindo-se à Ordem dos Carmelitas da Santa Face, cujos membros sofreriam grande perseguição e martírio em sua luta contra as heresias e contra o Anticristo em pessoa.

Outra vez, segue dizendo Santa Teresa, que “estando em Matinas no coral, seis ou sete foram representados e colocados diante de mim, parece-me que eles seriam da mesma Ordem, com espadas nas mãos. Penso que se dar a entender que eles devem defender a fé; porque, novamente, enquanto eu orava, meu espírito se arrebatou: eu parecia estar em um grande campo, onde muitos estavam lutando, e os desta Ordem lutaram com grande fervor. Eles tinham rostos bonitos e muito iluminados, e jogaram muitos no solo derrotados, outros mortos. Me parecia esta batalha contra os hereges”. Nesta visão, o caráter guerreiro da Ordem dos Carmelitas da Santa Face ou da Ordem dos Crucíferos, em sua constante luta contra Satanás e seus servos, em defesa da Fé Católica.

Santa Teresa também dá a entender que o Santo Profeta Elias, a quem ela havia visto algumas vezes, lhe contou algumas coisas referentes a grande Reforma Carmelita que ela estava realizando, e agradeceu-lhe pelas orações e esforços que fez pela Ordem do Carmelo, é dizer pela Ordem de São Elias, já que havia sido fundada pelo Santo Profeta, prometendo que ele a encomendaria ao Senhor. E embora Santa Teresa não diga explicitamente, o Santo Profeta Elias disse-lhe que nos Últimos Tempos todas as outras Ordens Religiosas deixariam de existir e que somente a Ordem do Carmelo prevaleceria graças a fundação da “Ordem dos Carmelitas da Santa Face”, e que todas as outras Ordens Religiosas permaneceriam no fim dos tempos adsorvidas na Ordem Mãe, que é a Ordem do Monte Carmelo, de onde todas as outras nasceram. Por isso, a Ordem dos Carmelitas da Santa Face assume na sua alma de Mãe o espírito de todas as outras Ordens já claudicadas.

A Santa conclui dizendo: “Eu não indico as Ordens: se o Senhor é servido, é conhecido, as declarará, porque outros não estão agravados; mas cada Ordem há de procurar, ou cada uma delas por si só, que por seus meios fizesse o Senhor tão feliz sua Ordem que, na necessidade tão grande que a Igreja agora tem, eles o servissem. Vidas abençoadas que terminam nisso!” Nessas palavras misteriosas, Santa Teresa de Jesus adverte todas as Ordens Religiosas existentes em seu tempo, e aquelas que surgiriam depois, que quanto mais observadoras e santas elas fossem, maior seria a glória da Ordem do Monte Carmelo, como mãe que é de todas elas.

                Canonizada pelo Papa São Gregório XV, o Magno, em 12 de março de 1622. Declarada Doutora da Igreja pelo Papa São Paulo VI em 27 de setembro de 1970.